Vírus: Sintomáticos e Sequelados

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

É… Parece que tem algum outro vírus atuando além do tal do Corona.

O Poszão tá sendo redigido ao mesmo tempo em que a bola rola no Castelão lotado. Nesse exato momento, por volta dos 35 da primeira etapa. Ahn? O jogo foi no Maracanã vazio? Foi mal. É que olhando só o campo/bola no início da peleja, a impressão era exatamente a da primeira frase.

Algo de podre há no Reino. Uma sonolência, uma falta de criatividade, uma indisposição e, pra comparar com o vírus da pandemia, falta de paladar pelas vitórias e também do faro de gol.

No começo só deu Ceará. Após o gol deles (bem após) até que o Flamengo deu uma melhorada bem assim-assim, e falando isso com Muito Boa Vontade. Nada muito animador. Com o adversário entricheirado, apenas passamos a ter aquela nossa recorrente maior posse de bola (terminamos essa metade do jogo com mais de 70%). O tal do arame liso.

O treco já começou esquisito no vestiário. César de volta ao gol, Gustavo Henrique de volta à zaga. Decisões baseadas em sabe-se lá o que. O Pedro em campo até seria uma boa nova, mas quase nem se viu o cara na primeira etapa. Talvez fosse melhor se usado junto com o Gabigol. Mas é beeeeem talvez mesmo. O volume de jogo de um modo geral não indicou que muita coisa seria diferente.

Jogadores? Técnico? Direção? O mais provável é o que o tal vírus do sono nos tenha infectado em todas as instâncias.

Bom… Como a esperança é a primeira que agoniza, ainda que seja a última que morre, os mais animados dentre nós certamente pensaram: “se muitas vezes na temporada o Flamengo inventou de jogar só um tempo, quem sabe o período escolhido para jogar hoje tenha sido o segundo?”

Como que um deboche dos Deuses do Futebol, lá no Morumbi o São Paulo foi pro vestiário empatando com um catadão do Santos.

Veio a segunda etapa e… Sai Gustavo Henrique e Arão vai pra zaga. Por falta de inovações é que não há de ser. Eh, eh, eh… E veio o gol do Santos. Por falta de bullying dos tais deuses também não se morre. Como já dito e redito por aqui… Ninguém quer ficar com a porra da Taça-Souvenir do Apocalipse. Vai levar o menos pior.

No Maracanã… Seguiu o arame liso, sem conseguir furar a competente retranca cearense. Menos mal que o Diego entrou chamando a responsa pra si. Uma chegada melhor lá na frente e muitos gols perdidos. O que é ruim, mas é melhor do que não criar nada.

Pressão enfim. O arame liso passou a arame cego e sem pontaria.

Como o Ceará abdicou de atacar, o Flamengo foi pra cima. O problema é que ainda assim o goleiro deles não precisou sujar muito o uniforme. Ou não se chutava ou se chutava torto.

E então aconteceu. Gol dos caras.

Posse de bola de 76%, o triplo de finalizações em relação ao adversário, São Paulo perdendo… E mais uma chance de diminuir a distância desperdiçada.

Talvez esse nosso vírus venha de 2019. Vai ver tanta euforia acabou gerando uma temporada posterior de uma quase Depressão Institucional. Normal não é, mas aconteceu.

Booooora seguir torcendo.

Isso aqui é Muito Flamengo.

 

mercioquerido@gmail.com
Facebook e Instagram: Mercio Querido
Twitter: @sorinmercio

 

 

 

Está Gostando do Conteúdo ? Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Leitura Recomendada