Romário: O gênio da grande área

Antes de tudo, Romario é um génio... um cara de uma inteligência espacial e de inegável talento no dominio e arremate da bola. Baixinho, mas um gigante do futebol, patrimônio mundial do esporte, merecedor de todos os adjetivos... o cara que tem uma global lista de admiradores. Conheça a história do especialista da grande área, dono de uma marca milenar de gols e referência para todos os atacantes... um dos melhores jogadores de futebol de todos os tempos.

2
867
Romário
Romário... um dos melhores jogadores de futebol de todos os tempos.

Sábado, 29 de Janeiro de 1966… nascia no Rio de Janeiro, Romário de Souza Faria… filho de Edevair de Souza Faria e Manuela Ladislau Faria. O menino nasceu franzino, com apenas 1k e 900g, em um verão de tempos difíceis… criado na favela do Jacarezinho, onde morou em um barraco de madeira até os 3 anos de idade.

Seu Pai era um operário em uma fábrica de pintura e sua Mãe era Lavadeira e Dona do Lar, e ambos, contavam que a família era muito pobre, porém muito humilde e honesta. Seu Edevair dizia que o barraco de madeira onde moravam era precário e que os vizinhos quando passavam pela rua, enxergavam ele e Romário deitados no quarto.

Romário
Romário, Ronaldo e seus pais Edevair e Lita

A origem do nome Romário

Nome latim, de gênero masculino… Romário significa Famoso e Glorioso, ou seja, seu Edevair e dona Lita (como é chamada a sua Mãe) não erraram no nome. Na verdade, seus pais já tinham o nome guardado caso nascesse um menino devido conhecer outras pessoas de nome Romário na época de ”roça” e que esses, eram gentes honestas e trabalhadoras… e foi assim que surgiu o nome do ”famoso e glorioso” para o futebol.

Sua madrinha de batismo seria nada mais, nada menos que a cantora Ângela Maria, amiga da família na época e que já estava tudo combinado, porém ela se mudou para outra cidade e não foi mais vista pela família e assim, Romário foi batizado por outra pessoa.

Nas décadas de 60 e 70, o nome Romário teve 3.600 mil registros, onde nas décadas de 80,90 e 2000 teve 39.740 mil registros, ou seja, após o sucesso avassalador do gênio da grande área, a quantidade de ”Romários” na terra aumentou absurdamente e possivelmente, inspirado nele.

O inicio da paixão pela bola

Segundo o próprio Romário, a sua paixão pela bola começou ainda dentro da barriga de sua mãe, pois ele chutava bastante antes mesmo de nascer e em uma frase marcante, ele diz que quando ele nasceu, Papai do céu apontou o dedo pra ele e falou: ”esse é o cara”.

Entre becos e vielas na favela do jacarezinho, o baixinho dava os seus primeiros passos e chutes no brinquedo que mais gostava, a bola. Entre um chute e outro nos portões da vizinhança e quedas dentro do bueiro que tinha nas ruas, Romário também acordava de madrugada e pedia para que seu pai o levasse para jogar bola em um campo próximo a linha do trem, mas ficava apenas na sala de casa. Seu Edevair, levou muitas vezes o menino para jogar bola na praia de Ramos e lá, percebeu que o menino era veloz e que tinha jeito pra bola e também para natação, pois o baixinho também aprendeu a nadar lá.

Proibido pelos seus pais de falar palavrão e soltar pipa (natural dentro de uma favela), antes mesmo de completar 4 anos de idade, a família foi morar na Vila da Penha, onde por lá, continuou brincando com a bola. Mesmo assim, Romário dividia o novo convívio com o Jacarezinho, pois por lá, ainda moravam os tios Nei e Neuza, que ajudaram na criação do menino enquanto seus pais trabalhavam, isto até os primeiros 10 anos de vida.

Condenado pelas estatísticas do futebol e correndo atrás do sonho, com um corpo fraco e diminuto, onde a bronquite afetava ainda mais a sua saúde e o desejo de se tornar jogador de futebol (razões de sobra para desistir), o menino contrariou a tudo e a todos.

Romário
Romário ainda menino com a camisa do América, seu time de coração.

A promessa de seu Edevair e o primeiro time de futebol de Romário

Quando Romário e seu irmão (Ronaldo) estavam numa fase para serem reprovados no ano letivo do colégio, seu pai prometeu que se eles fossem aprovados, iria montar um time de futebol no bairro para eles jogarem. E como o baixinho era ”fominha” por bola, é claro que ele e seu irmão foram aprovados no colégio e assim, seu Edevair cumpriu a promessa, juntou outros meninos da Vila da Penha e na Praça Soldado José dos Anjos, montou um time, colocando o nome de Estrelinha.

Pelo estrelinha, Romário deitou e rolou contra os adversários, era a sensação do time e não era só no bairro, pois o estrelinha jogava em outras ”praças” e por onde ia, o baixinho deixava a sua marca, seu nome registrado e ”encerrou” a carreira de muitos zagueiros que se achavam craques de bola.

Romário considera que seu Pai e o estrelinha foram essenciais na sua formação, pois foi no time amador que ele começou a enfrentar zagueiros altos e fortes, e como ele era magro e baixo, porém de uma habilidade e velocidade incomparável, a sua batalha pelo sonho começou ali.

Romário
Sr. Edevair e Romário pelo Estrelinha

O início de Romário em um clube profissional

Ao perceber que Romário era diferenciado com a bola, seu Edevair levou o menino ao Vasco da Gama, onde foi rejeitado devido ao porte físico. Seu Edevair então, não desistiu e de imediato, levou o filho para fazer teste no Olaria Atlético Clube, onde foi aprovado no time infantil (categoria da época).

Em 1979, Romário foi campeão estadual da categoria e artilheiro, mantendo o bom desempenho no ano seguinte pelo Olaria. No inicio de 1981, despertou interesse do time que o tinha rejeitado e pelas mãos do Srº Geraldo (diretor da época) se transferiu pra lá, onde jogou pelas categorias Infantil, Juvenil e Juniores (sendo campeão e artilheiro por todas elas).

Ao lado de jogadores consagrados, como Roberto Dinamite, Romário estreou pelo time profissional aos 19 anos, em um jogo contra o Coritiba, porém, não balançou as redes. O primeiro gol como profissional aconteceu em 18 de agosto de 1986 na vitória contra o Venécia.

Romário, Olaria
Romário pelo Olaria

Seleção Brasileira: Sul-Americana e Olímpica

Ainda em 1985, Romário estreou pela seleção Brasileira no Sul-Americano Sub20, onde marcou 2 gols e foi campeão da competição. Em 1988, estreou na seleção principal nos jogos preparatórios para os jogos Olímpicos em Seul e já escalado para as Olimpíadas, o baixinho foi o artilheiro da competição e ali, o seu talento foi apresentado para o mundo.

Partiu, Holanda

Após conquistar alguns campeonatos e títulos individuais pelo Vasco, e da grande repercussão nas Olimpiadas pela seleção Brasileira, Romário foi vendido para o PSV da Holanda em 1988, aos 22 anos de idade, sendo a maior transferência realizada no futebol (na época – U$$ 6 milhões).

Por lá, Romário foi Tri Campeão Holandês sendo artilheiro em todas, Bi Campeão da Copa dos Países baixos e foi artilheiro em duas edições da Liga dos Campeões. O baixinho liderou a equipe nas temporadas que disputou pelo clube.

Romário na Espanha

Com jogadas inteligentes e gols geniais, Romário despertou o interesse do Barcelona, para onde foi vendido em 1993, aos 28 anos de idade por U$$ 4,5 milhões. E logo como cartão de visitas, em sua estreia contra o Real Sociedad, o Baixinho fez 3 gols, deixando os torcedores do Barcelona impressionados.

Além das brilhantes jogadas e lindos gols, uma história ficou bastante conhecida entre ele e o técnico da época, contada pelo próprio Johan Cruyff.

‘Uma vez, ele veio me perguntar se poderia faltar a dois dias de treinos para voltar ao Brasil. Deveria ser carnaval no Rio de Janeiro. Eu respondi: ‘se você fizer dois gols amanhã, te dou dois dias a mais de descanso que o restante da equipe’. No dia seguinte, ele marcou seu segundo gol com 20 minutos de jogo e imediatamente fez um gesto para mim pedindo para sair – Ele me disse: Treinador, meu avião sai em menos de uma hora.”

Pelo Barcelona, Romário foi campeão Espanhol 93/94 e artilheiro, além de ter sido campeão do Troféu Teresa Herrera, da Supercopa da Espanha, eleito o melhor jogador do campeonato Espanhol e considerado pela FIFA o 2º melhor jogador do planeta.

Eliminatórias e o Tetra Campeonato Mundial

Em 1993, a seleção Brasileira iria fazer a ultima partida pelas eliminatórias da copa do mundo e precisava da vitória para se classificar. Foi então que Parreira (técnico da época) convocou o ”salvador da pátria”, Romário, e em pleno Maracanã o baixinho fez os 2 gols contra o Uruguai, classificando a seleção Brasileira para a copa do mundo.

Em 1994, antes da primeira partida da copa do mundo, Romário chamou a responsabilidade para si e disse que poderia cobrar dele caso a seleção Brasileira não fosse campeã mundial. Conclusão: Romário liderou a equipe Brasileira, deu show em todos os jogos, marcou 5 gols e trouxe a taça para a o seu povo… Brasil Tetra campeão Mundial.

Ainda neste ano, Romário foi eleito o melhor jogador da copa do mundo e o melhor jogador do planeta (Bola de Ouro).

Romário Tetra
Romário campeão mundial em 1994

Romário… o melhor do mundo, no maior do mundo… Flamengo

Após 8 anos longe do Brasil e com saudades da sua terra natal, Romário decidiu então retornar para o Rio de Janeiro e em uma negociação dura, que durou 8 dias junto aos dirigentes do Barcelona, enfim o baixinho foi anunciado pelo Flamengo e vestiu o manto sagrado ainda na Espanha.

Era sábado, 14 de Janeiro de 1995, o dia nasceu com o sol sorrindo aguardando o melhor jogador do mundo e as 8hs da manhã, surge Romário em um carro aberto, acenando para milhares de pessoas em um desfile que durou cerca de 3horas e meia entre o aeroporto até a Gávea. Uma festa jamais vista para um único jogador de futebol em todo o mundo, e que até hoje, somente Romário conseguiu parar a cidade maravilhosa.

Na chegada a gávea e em sua entrevista, Romário ignorou o passado no Vasco e ainda mandou um recado: ”O que eu posso dizer para a torcida do Vasco, é que quando tiver um clássico entre Flamengo e Vasco, levem lenço para o Maracanã porque vocês irão chorar muito”. Esse era o baixinho, de língua afiada e o resultado disto? Em 07 de maio deste mesmo ano e no primeiro confronto contra o Vasco, Sávio foi a linha de fundo e cruzou rasteiro, dentro da área Romário recebe, domina a bola, gira o corpo sobre o zagueiro e com a frieza de sempre, colocou a bola no canto esquerdo de Carlos Germano. Na comemoração, o baixinho saiu provocando a torcida do Vasco, pediu silêncio e também para pegarem o lenço para enxugarem as lágrimas … placar final: Flamengo 1×0 e promessa cumprida.

 Flamengo
Chegada de Romário ao Flamengo

Romário Campeão da Taça Guanabara

Ainda pelo campeonato carioca deste mesmo ano, Romário marcou 3 vezes na final da taça Guanabara contra o Botafogo, em uma tarde pra nenhum torcedor esquecer. Placar final, Flamengo 3×2 Botafogo e assim, se consagrou Campeão da Taça Guanabara. Existe outros inúmeros lances marcantes do ”peixe” pelo Flamengo, mas iria faltar espeço no texto para menciona-los.

Pelo Flamengo, Romário marcou 204 gols, foi campeão estadual em 96 e 97, Mercosul em 99 e artilheiro em todas as competições que disputou pelo clube. Romário ficou no Flamengo até 1999 e entre a sua chegada e saída, foi emprestado ao Valência da Espanha em duas oportunidades.

Romário cita torcida do Flamengo como diferente

Após retornar para o Vasco, o baixinho não gostou da postura de uma das facções da torcida e em uma entrevista, disse que eles deveriam ter aulas com a Torcida Jovem do Flamengo e a Raça Fla.

Anos depois, também em uma entrevista, Romário citou a torcida do Flamengo como a diferenciada das demais, a mais emocionante e que foi a única com quem se identificou, tratando a nação rubro negra como ”de outro planeta”.

Melhor ataque do mundo

Querendo ampliar ainda mais o poder ofensivo, onde já tinha Sávio e Romário, o Flamengo contratou Edmundo e assim surgiu o Melhor ataque do mundo. Porém, dentro de campo o que era pra ser o melhor, não saiu do papel e segundo o próprio Romário, por motivo de vaidade de cada ”estrela” do ataque.

Romário, Sávio e Edmundo
Sávio, Romário e Edmundo formavam o trio de ataque do Fla em 1995

Sem levar desaforo pra casa

Ainda pelo Flamengo, Romário chegou a formar a dupla Bad Boys com Edmundo e com direito a Rap (funk carioca), isso pela personalidade de ambos em ”não levarem desaforo pra casa” e algumas cenas ficaram marcadas por isso. Em uma partida na Argentina, contra o Velez, Edmundo recebeu um soco no rosto e Romário surgiu em meio a 3 zagueiros adversários para ”salvar” o parceiro, baixinho e invocado, Romário revidou com uma ”voadora” no agressor e ainda encarrou outros 2 adversários.

Em 96, Romário também teve um pequeno desentendimento com o lateral Cafezinho, em uma partida contra o Madureira. Bom de bola e também bom de briga, o baixinho recebeu um chute do lateral e na mesma moeda, deixou o adversário no chão.

Despedida pela Seleção Brasileira

Romário não participou das copas de 90 e 98 devido ter sofrido lesões antes do inicio da competição e em 2002 não foi convocado, mesmo tendo participado do grupo campeão dessa edição nas eliminatórias.

Em 2005, o baixinho se despediu em um jogo contra a Guatemala e na vitória de 3×0, ele marcou o 2º gol da partida e na comemoração, levantou a camisa e abaixo (em outra camisa) tinha uma frase que dizia: ”Eu tenho uma filhinha down que é uma princesinha”, essa mesma em especial a sua filha Ivy, que nasceu com síndrome de down.

Pela seleção Brasileira, Romário marcou 154 gols.

Baixinho
Despedida de Romário pela Seleção

Romário, 1000 gols

Em busca pela marca, que apenas Pelé tinha alcançado, o baixinho conseguiu balançar as redes pela milésima vez no dia 20 de maio de 2007, aos 41 anos, de penalti em uma partida entre Vasco x Sport Recife. Emocionado, Romário dedicou o milésimo gol a seus pais e filhos.

Em suas contas, Romário marcou 1.003 gols.

Outros clubes da carreira

Romário também atuou pelo Fluminense, Al-Saad (Oriente Médio), Miami FC, Adelaide United e América-RJ…este último, em uma única partida. Time de seu Edevair e também declarado do baixinho, Romário atuou em alguns minutos pela serie B do carioca na ultima rodada, onde daria o titulo e acesso ao América-RJ para a serie A.

Este também foi a ultima partida de Romário por uma equipe profissional, isto porque era o desejo de seu Edevair (já falecido na época) e como promessa, o baixinho cumpriu em forma de homenagem ao pai.

Futevôlei, Praia e … treinar pra que?

Romário é a cara do carioca, gosta do calor e da praia e nesta, tira as suas ondas na prática do Futevôlei e não pensa que é só na diversão não, a disputa é seria. Entre os ”parceiros”, incluindo Renato Gaúcho, Edmundo e Djalminha, o baixinho tem o posto de ”Rei da praia” por dar banho nos adversários… ele é o cara do pedaço.

Em toda a sua carreira, Romário foi rotulado por não gostar de treinar, porém o mesmo explicou que realmente não treinava conforme os demais, mas treinava do modo dele e fazia apenas as atividades ”necessárias”. Mas vale lembrar que o baixinho ”não treinava”, mas dentro de campo se garantia e fazia a diferença.

Baixinho
Romário jogando Futevôlei

Frases marcantes do baixinho

Romário protagonizou cenas e espalhou frases de efeito com a sua língua afiada aos que ”pisavam” em seu calo e aos desafiantes, como essas:

”Tem aqui muito rei, rei tem 2, 3, 4, 5… mas Deus agora ele sabe quem é” (no final da Taça Guanabara, direcionada ao Tulio Maravilha)

”Agora a corte está toda feliz…o rei, o príncipe e o bobo” (direcionando o bobo a Edmundo e rei a Eurico Miranda)

”O cara entrou no ônibus agora e já quer sentar na janela” (direcionada ao técnico Ricardo Gama)

”O pelé calado é um poeta, deveria colocar um sapato na boca” (direcionada ao Rei)

Romário na politica

Em 2010, o baixinho foi eleito Deputado Federal e a sua missão era lutar pelas pessoas com deficiência física e portadores de doenças raras. Em 2014, Romário foi eleito a Senador, onde obteve 4,6 milhões de votos…uma marca jamais alcançada por um candidato. Foi eleito a Presidente da comissão de Educação, Cultura e Esporte, bateu firme na CPI do Futebol e atualmente segue no senado.

Baixinhos
2010 Romário estréia na vida política como Deputado Federal

As peladas no campo da rua cintra

Não é de agora que o baixinho jogava as suas peladas no campo da rua cintra, cituado no bairro da Penha, zona norte do Rio de Janeiro. Antes, aparecia quando ”dava” uma brecha no calendário, mas agora é diferente. Romário está disputando o campeonato na categoria Sub50 pelo time do Cajá, onde seu irmão Ronaldo e o ex lateral Lira, também jogam.

O campeonato é organizado pelo ex jogador Marcelo Ribeiro, que jogou com Romário no Flamengo. O campeonato é frequentado por artistas e outros ex jogadores, como Ronald, Lê e Fabio Noronha e as partidas do Sub50 são disputadas no domingo pela manhã. Vale lembrar que no campo da rua cintra também realiza campeonato de outras categorias, porém em horários e dias diferentes.

Escolinha de futebol do Flamengo

Citando o campo da rua cintra, o Flamengo tem uma escolinha de futebol no local, que também está sob direção e responsabilidade do ex Jogador Marcelo Ribeiro. O campo que também já foi frequentado pelo menino Paquetá (ex Flamengo), tem uma ótima estrutura e grande visibilidade, vestiários novos e materiais de top de linha para a garotada.

O local é de fácil acesso e sempre tem presença de ”olheiros” do futebol nos treinos das garotadas que buscam o sonho de se tornar jogador de futebol. Foi assim com Vinicius Jr, que frequentava a escolinha de futebol do Flamengo em São Gonçalo e após ser observado, foi levado ao clube do Flamengo e hoje, é uma das estrelas do Real Madrid.

Entre em contato e leve a garotada para brilhar no Flamengo!

Escolinha

Ufa, é muita história do baixinho… ainda tem muita coisa boa que não foi comentada e ficou de fora, mas essas, estão dentro do contexto… então, ai está um pouco da vida e carreira do Romário… o favelado que nunca negou as suas origens, que venceu os obstáculos e subiu muitos degraus sem puxar o tapete de ninguém. Romário não foi somente bola na infância, também carregou muita trouxa de roupa para a sua Mãe, pintou casas e levantou muros junto com seu Pai, carregou caixas de frutas e descarregava caminhão no Ceasa… tudo para buscar o sucesso e ajudar na despesa da família.

Romário é um cara de bom coração, humilde e do povo… um cara que tem gratidão, assim como fez com o seu tio Nei, onde lhe emprestou uma grana para comprar um terreno, mesmo sem saber se iria ficar rico, e depois de muitos anos juntando uma grana para devolver ao ”sobrinho”, Romário se negou a receber a quantia, disse que ele não devia nada e ao contrario, Romário que devia a ele pela criação, cuidado e carinho na sua formação ainda quando criança.

Exemplo vivo de vitória para muitos pobres, provando para todos que o sucesso e a conquista é possível… seja ela em qual área for, basta crer e correr atrás.

Particularmente, aqui fica a admiração de um fã desde sempre, que também um dia tentou ser jogador de futebol e dar uma vida ainda mais digna aos meus pais… fico feliz por estar relembrando um pouco de tudo que acompanho a mais de 30 anos sobre a sua carreira e fica aqui, registrado essa simples homenagem de quem carrego na lembrança os gols e as jogadas do cara que dentro da grande área, foi melhor que qualquer outro jogador que existiu na história do futebol… Romário de Souza Faria, meu ídolo e eterno camisa 11…

… ”Olelê, olalá…o Romário vem aí e o bicho vai pegar”…

 

Saudações Rubro Negra

Xandy Love

Eu teria um desgosto profundo se faltasse o Flamengo no mundo…

 

2 COMENTÁRIOS

  1. Quem teve o privilégio de vê-lo jogar, nunca vai se contentar c gabinuncagol e afins…

  2. Meu amigo Marlus, o baixinho na idade que está, resolveria o nosso problema de ineficiência no ataque em 20 minutos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here