Resultado Financeiro do Flamengo no 1° trimestre de 2020 e as preocupações com o impacto da COVID 2019.
Flamengo divulga seu resultado financeiro do 1° trimestre de 2020, mas de olho nos impactos do COVID para o restante da temporada.

O resultado financeiro do Flamengo acerca do 1° Trimestre (Janeiro a Março) desse ano. Como esse período não havia tanto impacto relacionado a COVID 19, o clube apresentou um excelente resultado. O clube gerou um Superavit de R$ 53,9 milhões no trimestre. Porém, o clube deixa claro que a pandamia que assolou o planeta e que no momento gera um pico de infecção no Brasil, impactará de forma significativa a saúde financeira do clube, visto que no primeiro momento de paralisação entendia-se em um retorno após 2 meses, fato esse que não ocorreu e que ainda não temos perspectiva de retorno.

Efeito COVID 2019 mais forte a partir dos números do 2° Trimestre.

O clube sofreu efeitos acerca da pandemia, como a suspensão nas receitas vindas de bilheteria, direitos de transmissão tanto da libertadores como do brasileiro, atraso no pagamento do patrocinio da Adidas, que foi regularizado somente essa semana, rompimento unilateral do contrato parte do patrocinador produtor de azeites, dente outros impactos que começam a gerar impacto no resultado financeiro do Flamengo.

Para minimizar esses impactos, no primeiro momento o clube efetuou a demissão de cerca de 60 funcionários (10% do efetivo do clube). E posteriormente a redução de 25% do salário de funcionários com rendimentos superiores a R$ 5 mil por mês. Além disso, postergou 2 meses de direito de imagem dos jogadores para um pagamento parcelado a ser efetuado dentro do ano de 2021.

Visto todo esse cenário que assola não só o clube, mas a economia global como um todo, podemos ver algumas ações estratégicas do clube afim de diluir ao máximo esses impactos negativos.

Análise da demonstração financeira.

Dentro da demonstração financeira ao citar o montante em caixa do clube que ao final do trimestre estava em R$ 71 milhões, o clube informa que 35% desse montante está depositado em moeda estrangeira, ou seja, diante da desvalorização do Real frente ao Euro e ao Dolar, o clube decidiu fazer uma reserva de moeda estrangeira, tendo em vista a necessidade de pagamento dos jogadores oriundos do exterior e até mesmo pensando na renovação do Mister Jorge Jesus.

No quesito contas a receber podemos começar a ver um dos efeitos da COVID 19 nos números do clube. Para se ter ideia no 4° Trimestre de 2019 o clube apresentava um contas a receber de renda de jogos de R$ 21 milhões. Já no 1° Trimestre desse ano um valor de R$ 5,3 milhões.

Na linha de contas a receber de transferencia de jogadores, o clube fechou o trimestre com um direito de cerca de R$ 129 milhões, em sua maioria, esse montante é relacionado a venda do atleta Reinier ao Real Madrid. Na contra mão dos direitos a receber, temos os valores a pagar referentes ao jogadores adquiridos. Esse valor ao final desse trimestre representa um passivo de R$ 278 milhões, onde R$ 171 milhões com vencimento dentro de 1 ano e o restante, R$107 milhões com prazo superior a 12 meses. Dentro desses valores, alguns já foram renegociados, como, por exemplo:

  • A emprestimo do atleta Thiago para o próprio Nautico e;
  • A postergação da parcela relacionada ao atleta Leo Pereira, junto ao Athlético- PR.

A tragédia do Ninho do Urubu é citada na demonstração financeira na parte de contingencias. O clube tem o entendimento de que no futuro haverá o despêndio de caixa acerca desse processo e assim, já deixou “guardado” um valor para essa situação. Hoje esse “reserva” está em $78 milhões para a esfera trabalhista e R$ 20 milhões para a área cível.

Análise das Receitas e Despesas do Clube no 1° Trimestre de 2020.

Podemos concluir que valeu todo o esforço financeiro para chegarmos ao time que temos hoje. Pois o clube vem tendo retorno sobre essa constelação que foi montada e é dirigida por nosso Mister.

Somente com Bilheteria de jogos se compararmos os números desse ano com o mesmo período do ano passado, o clube saltou de R$ 11 milhões em 2019 para R$ 22 milhões em 2020. Para se ter ideia, os maiores efeitos para esse crescimento foram:

  • Jogo da Recopa com renda liquida de R$ 5,3 milhões
  • Campeonato Carioca com renda de R$ 12 milhões frente a R$ 7,8 do mesmo periodo do ano passado.

A linha de salário de atletas sofreu um aumento em comparação ao 1° trimestre de 2019, saindo de R$ 46 milhões para R$ 53 milhões esse ano.

Outro aumento ocorreu relacionado a gastos com jogos e competições onde o número saiu de R$ 9,5 milhões para R$ 20,2 milhões. Variação justificada por nesse trimestre ocorrer a recopa sulamericana Além, tambem a supercopa do brasil, jogos que não tivemos no mesmo período do ano passado.

Podemos concluir que o resultado financeiro do Flamengo no  1° trimestre não foi tão afetado devido a pandemia. Porém, o futuro muito incerto nos aguarda e para as proximas demonstrações veremos o impacto dentro do clube. E se as ações que o mesmo vem tomando estancarão essa sangria que ocorre não só no Flamengo, mas em todo mundo.