Futebol Profissional

Renato é estratégia, Jesus é defesa, humildade e jogo em campo

0

https://redacaorubronegra.com/cara-a-cara-gremio-x-flamengo/

Renato Gaúcho, de fato, é um ótimo estrategista como técnico. Basta vermos que o técnico usa bem as mídias e os grandes tabloides para começar um duelo histórico fora do campo. Na lábia, causando polêmica, por vezes, desnecessária. O ex-ponta-direita já foi comparado a Cristiano Ronaldo pelo seu estilo de jogo e é considerado um dos melhores técnicos do Brasil na atualidade.

Renato Gaúcho foi responsável por tirar o urubu em campo na conquista da Copa União. Foto: trivela.com.br

Mas, para compararmos qualidade e história, precisamos ter em mente, principalmente, quem é o Mister. Jorge Jesus começou sua carreira em 1973, aos 19 anos, mais precisamente no Sporting Clube de Portugal. Atuou no profissional durante 17 anos, estreando como treinador em 1990, no Amora Futebol Clube.

Agora, vamos aos fatos. Em 1973, Renato Gaúcho estava com seus 11 anos. ‘Dente de leite’, jogando bola pelas ruas de Guaporé, na Serra Gaúcha. Diferentemente de Jorge Jesus, que iniciava a carreira no mesmo time que treinou antes de vir ao Brasil comandar o Mais Querido, o Sporting. O time terminou a liga com a maior pontuação da sua história e ganhou 5 clássicos, vencendo a Super Taça 2015.

Jorge Jesus campeão pelo Sporting pela Taça da Liga, em 2018. Foto: HUGO DELGADO/LUSA

De fatos em fatos, vemos dois grandes nomes do futebol. Porém, diante das divergências, devemos levar em consideração os lugares e a cultura em que ambos estão inseridos. Para isso, separei trechos de ambas as entrevistas, em ordem cronológica.

Renato:

“Tá fazendo um bom trabalho, mas é obrigação pelo o que ele tem em mãos.”

“O Jorge Jesus ganhou 2, 3 títulos em Portugal, só.”

“Ele nunca treinou um grande clube da Europa fora de Portugal, e nunca conquistou nada. E tá com 65 anos.”

“Ele é obrigado a fazer o que o Flamengo está fazendo.”

Jorge Jesus:

“Só quero dizer que eu nunca ganhei uma Libertadores. Portanto, o treinador do Grêmio tem muito mais experiência que eu.”

“A equipe do Grêmio já ganhou 2, 3 Libertadores. É uma equipe nesta competição muito mais experiente que eu.”

“E o treinador do Grêmio que já ganhou uma Libertadores é muito mais qualificado que eu.”

“E portanto, nós vamos fazer nosso trabalho. Passo a passo, que estamos fazendo até agora.”

 

Percebem? É discrepante o nível de estratégia e defesa. De um lado, vemos um técnico formado na cultura do quem é melhor, ataca, contamina o clube adversário e leva a melhor, dentro e fora de campo. Esse é o Renato, formado e moldado em gramados nacionais.

Do outro, vemos a cultura do jogo em sim, da estratégia em campo, não fora dele. Jesus assume que o gaúcho possui mais experiência em Libertadores e que vai continuar o trabalho. É claro e nítido. Basicamente um 2 + 2 é 4.

E é por causa dessa cultura que estamos onde estamos. Saímos de uma zona onde mexer com nosso oponente é aparecer diante das câmeras. Agora, entramos em uma estratégia de assumir vitórias, derrotas e ir em busca das conquistas dando nosso melhor e, assim, nos aperfeiçoando cada vez mais.

Isso se chama humildade. Característica que muitos técnicos brasileiros, que, inclusive, ainda têm certo preconceito com colegas estrangeiros, precisam adquirir.

https://twitter.com/nandajorn

Fernanda Fernandes
Sou estudante de Jornalismo da Facha, carioca e tenho 20 anos. Flamenguista fanática desde a infância, é uma honra poder representar meu time fazendo o que eu amo. "Eu nasci Flamengo, e sempre vou te amar."

PRÉ JOGO: tudo o que você precisa saber sobre Grêmio x Flamengo

Previous article

Cartola FC 2019 dicas – 23ª rodada

Next article

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

TABELA