Finanças

Orçamento do Flamengo para 2020

3

O orçamento do Flamengo para 2020, o que esperar?

No ultimo dia 12 o Conselho Diretor do mais querido apresentou o orçamento do Flamengo para 2020. O arquivo contém 18 páginas e apresenta de forma bem detalhada aonde a diretoria pretende chegar no ano que vem e como planeja isso.

Para se criar um orçamento é necessário gerar algumas premissas e no caso de um clube de futebol essas são criadas através de projeção de performance dentro das 4 linhas. Com isso o clube adotou as seguintes premissas para os principais campeonatos do ano:

Campeonatos Nacionais: Fases Finais

Copas Internacionais: Mínimo Semi Final

Outra premissa primordial para a concretização do orçamento é a manutenção da gestão do Maracanã.

Perspectiva de Receita para 2020

Ao analisar a perspectiva de geração de receita para 2020, o clube estipula um atingimento bruto de R$ 726 milhões de reais. Vale ressaltar que no documento, eles consideram uma receita bruta para 2019 prevista no final do ano de R$ 857 milhões. Essa redução, se da principalmente o conservadorismo no quesito transferência de jogador, uma vez que em 2019 o clube gerou R$ 298 milhões, para 2020 o clube espera alcançar a cifra de R$ 80 milhões. É uma premissa segura, visto que com a possibilidade de venda do meia Reinier, esse número seria facilmente alcançado, o que é ótimo, visto que o orçamento do Flamengo para 2020, fica seguro, sendo uma meta passível de ser batida sem grandes esforços.

Em compensação, o clube espera um aumento de R$ 42 milhões de reais para 2020 na receita com bilheteria e sócio torcedor. Nesse ponto, podemos esperar uma expectativa por parte da diretoria em um novo aumento na adesão ao programa de sócio torcedor, como também uma possível sinalização de aumento nos ingressos 2020.

Para as despesas, o orçamento do Flamengo para 2020 se mantém em equilíbrio ao montante efetuado em 2019, com um aumento de R$ 15 milhões (cerca de 3,2% em comparação ao ano anterior). O aumento com pessoal e imagem que gira em torno de R$ 48 milhões de reais, muito em função das renovações que são noticiadas de Jorge Jesus, Everton Ribeiro e Gabigol, serão absorvidas pela redução em outros custos, como, por exemplo,  Serviços de Terceiros – R$ 16 milhões e Despesas com jogos – R$ 15 milhões.

Investimentos em jogadores para 2020

O ponto que todos os torcedores mais esperam é a estimativa para novas contratações. Nesse ponto, o clube tem como orçamento um expectativa de desembolsar, cerca de R$ 138 milhões para as aquisições de novos atletas ao elenco. Vale destacar, que muitos dos nomes que são ventilados no clube são através de empréstimo, como passe pre fixado, como é o caso do ponta Pedro Rocha. Desse valor, o maior montante ficaria para a aquisição em definitivo do Gabigol.

Orçamento para investimentos em estruturas

Importante destacar essa informação. O Clubes planeja investir cerca de R$ 13,5 milhões em melhorias no CT e na sede social. Desse valor, um destaque para o custo de R$ 1,3 milhões em reforma do campo sintético, muito em função da adaptação aos jogos nesse estilo de campo, que vem se tornando comum nos campos nacionais e internacionais, além da iluminação no campo 1 no total de R$ 600 mil. Esse último investimento é um pedido do Mister que tem a intenção de realizar alguns treinos a noite no CT.

Endividamento

Não é novidade que o endividamento do clube aumento em 2019, chegando ao montante de R$ 501 milhões. Porém esse endividamento é controlado, uma vez que o mesmo cresce na mesma proporção de geração de receita do clube. Esse aumento se deu principalmente as aquisições de atletas efetuadas em 2019. Com a manutenção da equipe, sendo necessário contratações pontuais para o elenco, esse endividamento tem uma projeção de redução para R$ 474 milhões em 2020.

Uma pergunta que se escuta de muitos torcedores é a seguinte:

Como que o clube gera uma receita recorde e mesmo assim tem um aumento no endividamento?

Geração de receita não significa dinheiro em conta. Contabilmente o fato gerador pode ter ocorrido para que a receita seja registrada, porém a entrada efetiva no caixa ocorrerá em evento futuro. Por exemplo: Flamengo foi campeão da libertadores (fato gerador ser campeão ocorreu, logo receita para premiação do titulo poderá ser contabilizada), porém o recebimento do dinheiro vindo da Comenbol pode vir a ocorrer somente em Janeiro de 2020, por exemplo, sendo assim o clube tem um contas a receber em seu ativo registrado.

Mesma essência pode ser levada para o endividamento. O Clube tem um aumento no endividamento, porém o mesmo é controlado, uma vez que muita dessas obrigações com terceiros são parceladas e ajustadas dentro do orçamento do clube. Além do mais, existe um índice onde é feito a proporção da receita do clube x o endividamento, que no caso do Flamengo, se fizermos com os valores de 2019, teremos:

Valores em milhões de reais

Receita 857/ Endividamento 501 = 1,7

Se levarmos em conta dentro do Estado o clube em pior situação atualmente, no caso o Botafogo (a receita é a previsão no inicio de 2019), o mesmo possui o seguinte índice:

Receita 230 / Endividamento 730 = 0,3

Ou seja, geramos quase 2 vez receita sobre nosso endividamento, mostrando que temos uma perspectiva de caixa equilibrado para a quitação das nossas obrigações.

A partir desse documento, concluímos que o clube trabalha com números da grandeza da instituição, mas que é bem real e próximo da realidade, visto a capacidade estrutural e técnica que possuímos.

Rafael Frizeiro Perez
Rafael Perez, contador formado pela UFRJ, pós graduado em Planejamento Tributário pela Mackenzie Rio e formando em LLM (Contabilidade e Direito Tributário) pela IBMEC e integrante do conselho deliberativo do Clube de Regatas do Flamengo. Rubro Negro graças a herança do falecido avô Perez, espanhol que se apaixonou pelo Mais Querido ao chegar no Brasil. Tem seu pai, Gabriel, como seu fiel companheiro de Maracanã.

    Conheça o Al Hilal, nosso adversário na Semifinal do Mundial

    Previous article

    Mundial de Clubes: hoje tem Flamengo x Al-Hilal

    Next article

    3 Comments

    1. oi, Rafael.
      Entendo que a receita do FLAMENGO comparada com o total de torcedores é pífia.
      Digo isso como um torcedor que mora em SC : nunca vi, li ou soube de uma promoção pra angariar sócios torcedores abrangendo diferentes categorias de planos. (o Vasco ,por ex, é hj o clube com o maior quantidade de sócios torcedores.
      A receita que poderia surgir da exploração desse potencial é com certeza relevante.
      enfim, acho bem tímida a exploração, até porque todo torcedor de alguma maneira gostaria de contribuir pecuniariamente com seu time de coração – e o Marketing do FLAMENGO é bem tímido neste quesito.(inclusive a coluna do Mauro César explorou recentemente esta temática)
      SRN – Joinville SC

      1. Boa tarde Silvio!
        Antes de tudo, obrigado por expor sua opinião aqui no site.
        Concordo plenamente com você! O Flamengo explora de forma muito embrionária toda a nação que possui ao redor não só do Brasil, mas do mundo.
        Porém, temos que tomar cuidado, principalmente quando usamos o case Vasco como exemplo, uma vez que quantidade não é qualidade financeira. Digo isso, pois a promoção feita praticamente vai igualar com o custo, o que quero dizer com isso: Cada socio torcedor gera um custo mensal, com um valor baixo, sua margem é reduzida, podendo chegar a praticamente zero. Por isso meu receio nessa comparação.
        Abraço e Saudações Rubro Negras!

    2. […] Conforme noticiado mês passado, o orçamento do clube previa uma receita de R$ 80 milhões em venda… […]

    Leave a reply

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    error

    Gostou do site ? Espalhe essa onda Rubro Negra

    Instagram