Futebol ProfissionalHistória do Flamengo

Mascotes: o que eles revelam sobre a história do Flamengo?

Em meio a paralisação dos campeonatos para nos conscientizarmos sobre nossa saúde, falar de história é um meio de atingirmos sabedoria. E por que não aprender mais sobre a trajetória do maior clube do mundo? Sim, é difícil não assistir a um jogo do Flamengo, porém nos enriquecermos de mais paixão é uma opção neste momento.

E hoje, vamos falar da evolução de nossos queridos mascotes rubro-negros. A riqueza de detalhes que abrangem acontecimentos relacionados a modalidades esportivas da época – e até mesmo a rivalidade – evidenciam a grandiosidade do Flamengo. 

O Velho Lobo do mar

Com isso, nossa história com os mascotes têm seu início já em 1940. O pioneiro entre os flamenguistas da época foi o destemido marinheiro Popeye. Personagem criado pelo cartunista americano Elzie Crisler Segar, na década de 20, foi adotado pelo Flamengo como mascote do clube.

Tudo começou em 1942, quando os jornais esportivos deram vida ao Campeonato Carioca para a criação de histórias em quadrinhos durante as disputas. O cartunista Lorenzo Molas, era responsável por escolher personagens os para cada um dos grandes times do Rio de Janeiro.

Leia também: Do ouro precioso e o azul do mar ao vermelho e preto que nos encanta 

O Fluminense era representado por uma figura elegante com uma grande cartola, o Vasco da Gama teve como personagem um almirante gordo e bigodudo, e o Botafogo foi representado pelo Pato Donald.

flamengo mascotes
Foto: A Nação Rubro Negra

O marinheiro Popeye representava a força e a valentia do Flamengo. Lorenzo Molas considerou momentos em que o Mais Querido conseguia reverter situações quase impossíveis nas disputas da época. Não muito diferente dos dias atuais, não é mesmo?

Além disso, deve-se considerar também a ligação explícita que Popeye tem com o mar, o que nos remete ao remo, esporte marcante da década de 40.

mascote flamengo
A valentia do Rio. Foto: A Nação Rubro Negra

Entretanto, apesar de um significado plausível diante dos fatos, o marinheiro não se popularizou entre os torcedores. Em 2009, o clube iniciou uma campanha manifestando o retorno de Popeye, porém não obteve sucesso.

Leia também: Os escudos do Flamengo ao longo dos 124 anos 

“Urubu guerreiro o meu canto é pra você Flamengo”

O início da história do nosso Urubu tem um quê especial, e ele se chama rivalidade. Isso porque na década de 1960, torcedores rivais chamavam os flamenguistas de “urubus”, fazendo assim uma alusão racista a Nação Rubro-Negra.

Porém, em 1969 a trajetória do nosso mascote ganhou um lado positivo para a massa flamenguista. Em uma bela tarde de domingo, no dia 31 de maio, os torcedores Luiz Octávio Vaz, Romilson Meirelles, Victor Ellery e Erick Soledade levaram a ave ao Maracanã pouco antes de uma partida contra o Botafogo.

“O nosso objetivo era calar as torcidas adversárias, que ironizavam o fato da torcida do Flamengo ter muitos negros. Escolhemos um jogo contra o Botafogo porque era o maior rival do Flamengo na época”, afirmou o professor de educação física Luiz Octávio, em entrevista ao GE.

Na ocasião, os torcedores alvinegros gritavam de forma incessante que o Flamengo era time de “urubu”. Além disso, o Mais Querido não ganhava do Botafogo fazia quatro anos, e os dois rivais marcavam o clássico de maior rivalidade do Rio de Janeiro.

Foi então que o nosso querido urubu foi solto na arquibancada com uma bandeira presa em uma de suas patas.

mascote urubu flamengo
O Urubu que se tornou eterno para uma Nação. Foto: Flamengo Alternativo

Ao cair no gramado, toda a massa rubro-negra fez festa e começou a cantar: “é urubu, é urubu”. E como se não bastasse, o Flamengo ganhou do Botafogo por 2 a 1, consagrando assim o urubu como novo mascote do Mais Querido. A partida ainda marcou a estreia de Doval, centroavante argentino naturalizado brasileiro.

Popeye então, perdeu seu espaço e o cartunista Henrique de Souza Filho – conhecido como Henfil -, na época do Jornal Sports, humanizou o urubu em suas charges esportivas divulgadas em jornais e revistas.

O jornalista era flamenguista doente, e a partir daí  iniciou um canal de comunicação com a torcida o qual tinha como objetivo adotar a provocação e acolher o urubu, para o desespero dos adversários. Assim, o animal tornou-se um mascote popular.

mascote urubu flamengo
Foto: Memoria JS

“Antes de revidar no mesmo nível, ele preferiu o bom humor e adotou o bicho como mascote do time”, contou Ivan Cosenza de Sousa, filho de Henfil em entrevista ao site oficial do Flamengo.

Samuca, Uruba e Urubinha

Já em 2000, o famoso Urubu ganhou seu desenho oficial, era o Samuca. Entretanto, apesar da tentativa, o nome não se popularizou entre a torcida rubro-negra.

flamengo mascotes
Samuca de 2019 bem no estilo rubro-negro. Foto: Fandom

Em 25 de maio 2008, antes da partida contra o Internacional pelo Campeonato Brasileiro, os mascotes Uruba e Urubinha fizeram sua primeira aparição. Desde então, marcam presença em jogos do Mais Querido.

mascotes flamengo
Foto: Almanaque Flamenguista

Portanto, o que era provocação por parte dos adversários, hoje se tornou um dos mascotes mais respeitados do Brasil e do Mundo. Nosso Urubu Guerreiro, além de ser inspiração para uma das torcidas organizadas, faz parte da raça que todo flamenguista carrega.

flamengo mascotes ren
Impossível não relembrar o “Urubu-Rei” de Renato Abreu. Foto: Lance!

Flamengo é isso: identidade, tradição, raça e religião. E os nossos mascotes fazem parte disso!

Leia também: Os “Flamengos” e sua história  

Por Fernanda Fernandes 

Etiquetas

Fernanda Fernandes

Sou estudante de Jornalismo da Facha, carioca e tenho 21 anos. Flamenguista fanática desde a infância, é uma honra poder representar meu time fazendo o que eu amo. "Eu nasci Flamengo, e sempre vou te amar."

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar