Futebol Profissional

Jorge Jesus no Flamengo – Português na América é uma história conhecida no Brasil.

0

Jorge Fernando Pinheiro de Jesus, mais conhecido como Jorge Jesus, carinhosamente chamado de ‘Mister’ pela torcida do Flamengo: este é um dos principais responsáveis pela fase excelente do Mais Querido. Nascido em Amadora, Portugal, e com 65 anos de idade, o Mister atravessou o continente para comandar a equipe, que sob seu domínio, sagrou-se campeã da Libertadores e do Campeonato Brasileiro, com quatro rodadas de antecedência. Português na América e conquistas no território nacional são assuntos familiares no Brasil.

Jorge Jesus, no Flamengo.

Jorge Jesus no Flamengo. Crédito: Reprodução.

INÍCIO DA CARREIRA

Jorge Jesus no Amora, em 1989.

Jorge Jesus no Amora, em 1989. Crédito: Reprodução

O Mister estreou como treinador no ano de 1990, no comando da equipe Amadora Futebol Clube, time da sua cidade natal. Ali começou sua trajetória, onde conquistou o título da 3ª Divisão. Na sequência, comandou o Felgueiras, na 2ª Divisão B, e conseguiu chegar até a primeira liga do futebol português, onde o clube teve a sua primeira participação no principal campeonato.

Mas, houve também momentos ruins na carreira de Jesus, visto que o português já caiu de divisão com o próprio Felgueiras (1995-1996), e com o Moreirense (2004-2005). Na temporada 2006-07, Jesus conquistou o 5º lugar na Liga, com Os Belenenses, e garantiu também a presença na final da Taça de Portugal e classificação para a Taça UEFA.

A tradicional equipe do Braga também já foi comandada pelo Mister na temporada 2008/2009, onde conseguiu levar o time às oitavas da Liga Europa e ganhou a última edição da taça intertoto, então, conseguindo um feito inédito naquela época por um clube português.

O auge de Jesus como treinador ocorreu no Benfica, onde, no seu primeiro ano à frente da equipe conquistou o Título Nacional. No ano de 2012, conseguiu algo histórico, levou o Benfica ao 8º lugar do ranking dos melhores clubes do mundo, segundo a IFFHS (Federação Internacional de História E Estatísticas do Futebol).

DNA DO MISTER

Fanático e viciado em futebol, as equipes comandadas por Jorge Jesus ficam conhecidas por características marcantes, as quais são: intensidade, posse de bola, disciplina tática e fome de gol.

Sempre inquieto à beira do gramado enquanto sua equipe dá uma aula tática no adversário, o português não se acomoda um instante sequer, mesmo com o placar mais do que favorável, pois, quer sempre o próximo gol e busca sempre a perfeição.

Jesus possui um repertório amplo de esquema tático. Utiliza o que melhor se encaixa com o adversário da vez, ou, ainda muda durante a partida, mediante a necessidade que o jogo apresenta. Às vezes ele começa no 4-4-2 e termina no 4-3-3 ou, no 4-2-3-1. Portanto, a grande verdade é que o Mister joga xadrez no futebol.

JORGE JESUS NO FLAMENGO

Jesus foi contratado em junho de 2019, e o acerto entre as partes constitui um contrato de um ano. Os resultados na equipe Carioca surgiram de forma rápida. Pois, após a eliminação na Copa do Brasil para o Athletico e derrota para o Emelec , no jogo de ida, nas oitavas da Libertadores  (início do trabalho de Jorge Jesus no Flamengo), a equipe começou a se encaixar rapidamente, pois, começou a produzir em campo resultados satisfatórios, e então o português caiu nas graças da torcida, porquanto, o Flamengo passou a ter uma identidade dentro das quatro linhas com as características que o torcedor Rubro-Negro sempre desejou: garra, sede de vitória e dedicação. E então, o  time carioca passou a apresentar uma forma de jogar com nítida superioridade sobre os seus adversários, independente do estádio, dentro ou fora de casa.

Jorge Jesus desembarcando no Rio de Janeiro em Junho, para dar início aos trabalhos no Flamengo. Foto: Marcelo Baltar.

Atletas que antes eram criticados arduamente pela torcida, passaram a ser admirados pela Nação, que é o caso do Willian Arão.  Pois, após a chegada do Mister, o volante da Gávea passou a ser um dos pilares do meio campo, mostrando uma incrível evolução dentro das quatro linhas, na sua forma de jogar, com forte marcação e qualidade no passe e na saída de bola. O próprio atleta já afirmou que Jorge Jesus pede para ele fazer algumas movimentações táticas em campo que nunca antes algum treinador pediu.

O Mais Querido coleciona goleadas na temporada: Flamengo 6×1 Goiás, Flamengo 4×1 Vasco, Ceará 0x3 Flamengo (com direito a gol de bicicleta de Arrascaeta), Flamengo 3×0 Palmeiras, Avaí 0x3 Flamengo, Flamengo 5×0 Grêmio, Flamengo 4×1 Corinthians e Flamengo 4×1 Ceará.

Gabigol é o artilheiro do Flamengo na temporada.

Gabigol comemorando a goleada de 5×0 sobre o Grêmio, pela Libertadores, após o apito final. Foto: Alexandre Vidal.

E como se não bastassem as goleadas, Jesus bateu recordes com a equipe carioca. Venceu o Athletico Paranaense, na Arena da Baixada, algo que o Flamengo não conseguia há 45 anos, bateu o Grêmio, no Sul, e este tabu era de 25 anos, venceu o Botafogo, como visitante, o que não acontecia há 10 anos, e venceu o Palmeiras no Allianz Parque, algo inédito anteriormente. Jorge Jesus e Flamengo se tornou uma combinação fantástica.

FINAL DA LIBERTADORES

Do Flamengo inconsistente de Abel à classificação para final muitas mudanças foram feitas. Uma vez que, a troca de treinador e as chegadas de jogadores importantes como Rafinha, Filipe Luís e Gerson foram alguns fatores que possibilitaram o crescimento e a evolução deste time na competição, que hoje chega a ser temido e reconhecido pelo futebol apresentado.

Após golear por 5×0 o Grêmio, de Renato Gaúcho, numa semifinal de Libertadores, com placar agregado de 6-1 para o Flamengo, o rubro-negro se classificou para a final, que aconteceu no sábado (23/11), em Lima, Peru, diante do poderoso River Plate, uma equipe com tradição na competição. Em 35 oportunidades, o time argentino já levantou a taça 4 vezes, e possui um treinador, que assim como Jesus, gosta de impor seu jogo diante dos adversários, que é o Marcelo Gallardo, e o mesmo  já chegou a ser elogiado pelo Guardiola.

JORGE JESUS NO FLAMENGO É CAMPEÃO! 

A partida da final não foi nada fácil, o torcedor Rubro-Negro que o diga. Com um primeiro tempo bem abaixo do que veio fazendo durante toda a temporada, o Mais Querido viu, logo aos 14 minutos do primeiro tempo, Borré abrir o placar para o River, que tenso! Que balde de água fria na Nação. O Flamengo não conseguia impor seu jogo, tudo parecia mais difícil, até que então a primeira etapa da batalha se encerrou com 1×0 no placar, a favor dos adversários.

O intervalo foi um ingrediente fundamental no prato “Rubro-Negro Campeão da Libertadores”. A equipe voltou mais ligada, conseguindo propor mais o jogo, e melhorou na troca de passes. Mas, o gol não saia, e o relógio jogava contra. 30, 35, 40 minutos do segundo tempo, e nada de balançar as redes.

40 milhões de corações aflitos, grito preso na garganta, que pôde ser solto aos 43 do segundo tempo, ecoando pelo mundo. Diego, que entrou aos 20 da segunda etapa da partida, no lugar de Gerson, na origem do lance do primeiro gol, deu o bote, interceptando uma tentativa de passe feita pelo Lucas Pratto, porém a bola ainda sobrou para o argentino, que conduziu em direção a lateral direita do campo de ataque do River, mas Arrascaeta deu um carrinho, roubou a bola, puxou o contra-ataque Rubro-Negro e fez o passe para Bruno Henrique, o camisa 27, por sua vez, naquele momento dramático, final de jogo, numa final de Libertadores, amigos, teve a frieza de carregar a bola e esperar a passagem de Arrascaeta no fundo para fazer o passe, o camisa 14 da Gávea se esticou e deu uma assistência para o Gabigol, que estava no lugar certo para empurrar para o fundo da rede, Flamengo 1×1 River. Diego, que havia entrado muito bem, participando muito do jogo, dando botes certeiros, desarmando e armando o jogo, aos 46 fez um lançamento para o ataque, e encontrou Gabriel, que teve que brigar com o zagueiro argentino, Pinola. O defensor adversário tentou cortar a bola de cabeça, mas acabou dando uma assistência para o Gabigol, e o camisa 9 não perdoou, chutou de primeira, de perna esquerda, a boa, fazendo a Nação Rubro-Negra explodir de emoção. Sem acreditar, naquele momento mágico, que a espera de 38 anos tinha acabado, e embora tensa durante 86 minutos de jogo, em 3 minutos mágicos, a maior torcida do mundo viveu a glória.

Assim foi o desfecho da glória eterna, Flamengo 2×1 River Plate. E a orquestra comandada pelo Maestro Jesus, em sua exibição, recebeu nota 10, com o melhor script possível para o desfecho desta linda história. Virada histórica em cima do, até ali, atual campeão da competição.

Diego e Gabigol são campeões da Libertadores.

Diego e Gabigol erguem a taça diante da torcida após conquista do título da Libertadores. Crédito: Alexandre Vidal.

 

UNIÃO IBÉRICA NA CONQUISTA DA LIBERTADORES

Pablo Mari é campeão da Libertadores, pelo Flamengo.

Pablo Mari erguendo a taça após conquistar a Libertadores. Foto: Reprodução Instagram.

Assim como em 1580 as monarquias de Portugal e Espanha se uniram após a crise de sucessão de 1580, unindo as duas coroas, em 2019, na Libertadores, também tivemos português e espanhol unidos neste feito dentro do futebol. Pablo Mari escreveu seu nome na história e se tornou o primeiro espanhol a conquistar uma Libertadores sob comando do Mister, que é português, conforme já foi citado no início desta matéria. No Flamengo, o Jesus conseguiu o seu primeiro título internacional, e se tornou o segundo treinador europeu a conquistar a Libertadores. Mirko Jozić, croata, foi o primeiro, com o Colo-Colo, do Chile, em 1991.

 

FICOU MARCADO NA HISTÓRIA…

A Libertadores era um título que a Nação Rubro-Negra muito cobiçava. Ao mesmo tempo, era a competição que mais trazia insegurança, uma vez que o histórico negativo nas edições anteriores, com vexames e eliminações precoces, deixava sempre uma desconfiança e sensação de “um pé atrás”, no torcedor. Sem dúvidas, o campeão da Libertadores, Jorge Jesus , escreveu seu nome na história do Flamengo, dentre os treinadores mais importantes do clube.

Jorge Jesus na conquista da Libertadores.

Jorge Jesus é campeão da Libertadores com o Flamengo. Foto: Divulgação Flamengo.

 

Fabrício Gonzaga
23 anos, Salvador - BA. Amo futebol e sou apaixonado pelo Flamengo.

Flamengo vai reunir três times campeões brasileiros nesta quinta-feira

Previous article

Chegou a hora do Flamengo “virar” o Bayern

Next article

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

TABELA