Jorge Jesus celebra classificação do Flamengo na Libertadores: “Não é sorte, é trabalho”

Rubro-negro supera Emelec no pênaltis e enfrenta Internacional nas quartas

0
189
Foto: André Durão / GloboEsporte.com

O Flamengo, diferentemente do que aconteceu contra o Athletico-PR, não perdeu nenhum pênalti na disputa com o Emelec. Depois do 2 a 0 no tempo normal, o Rubro-Negro venceu por 4 a 2, no Maracanã, e avançou às quartas de final da Libertadores. Jorge Jesus disse, em entrevista coletiva, que seu time treinou penalidades, inclusive, no mesmo dia do jogo, pela manhã.

“Era difícil mudar com o carro em andamento, mas conseguimos e trabalhamos bem a equipe para o caso de penalidades. Não é sorte, é trabalho. E viemos trabalhar ao longo do tempo, inclusive hoje pela manhã”, disse Jesus.

Depois do apito final, enquanto os jogadores comemoravam no meio do campo ou com a torcida, Jorge Jesus sentou sozinho no banco de reservas.

“A festa era para os jogadores e os torcedores. Nossa caminhada até chegar ao Maracanã foi impressionante e acho que era uma festa para eles. Só quis relaxar naquele momento.”

O técnico do Flamengo também fez questão de agradecer ao departamento médico do clube pelas recuperações de Arrascaeta e Éverton Ribeiro, que estavam lesionados e jogaram contra o Emelec.

“Quero agradecer ao departamento médico do Flamengo pela forma profissional que recuperaram em pouco tempo o Éverton e Arrascaeta. Foram muito importante e acabaram os dois sem problema nenhum.”

Veja outros trechos da entrevista de Jorge Jesus:

Champions x Libertadores

“É outra pegada a Libertadores. Fomos surpreendidos no Equador com a forma agressiva que de certa forma intimidou nossa equipe. Nos preparamos para o segundo jogo. Mas na Europa e aqui é a mesma coisa. Se não entrar com rigor na Champions, lance atrás de lance, não ganha.”

Gabigol

“Está muito confiante, faz gols. Essa posição que o lancei acho que o dá mais liberdade, espaço, vai ao encontro das características dele e está sabendo aproveitar. Está identificado ao estilo de jogo e responde com gols.”

Queda no segundo tempo

“É impossível uma equipe jogar como o Flamengo fez por 45 minutos, quando o Emelec não fez um arremate. Foram 70% de posse de bola, como que você quer que uma equipe seja, no Brasil, China ou Europa, como o Flamengo foi por 105 metros pressionando o portador da bola e chegue na segunda parte com a mesma intensidade? Sabe onde isso acontece? No PlayStation. Quero agradecer aos jogadores por fazerem tudo que deviam fazer.”

O que melhorar?

“Vai haver uma identificação maior entre treinador e equipe, vamos trabalhar para crescer. Não temos tempo para trabalhar muito as ideias, só recuperamos, estamos jogando de três em três dias. Mas há outros meio de nos identificarmos com a equipe. Nestes jogos que tivemos, foram jogos complicados, tivemos uma derrota e uma eliminação por pênaltis. Teremos tempo para recuperar jogadores, para ter o Filipe Luís. Teremos mais opções, o que é melhor para o treinador.”

Avaliação do elenco

“O tempo que vamos ter vai nos dar a possibilidade de ter um elenco mais forte. Hoje, ganhamos mais um jogador. Não é fácil um treinador agarrar um jovem de 17 anos e colocar em uma partida dessas. Fiz com garantias pelo menino que trabalha comigo há uma semana. Como buscar o jogador na base. O Reinier se portou bem, soube de posicionar quando a equipe estivesse defendendo. Ele esteve muito bem no que eu pedi. Talento tem.”

Reforços

“As inscrições sem ser para Libertadores vão fechar. É verdade que desde o primeiro dia que cheguei pedi um centroavante. A equipe precisa de um jogador, porque Gabigol e Bruno Henrique estão fazendo muito bem de acordo com as características, mas não são centroavantes.”

Não sofrer gol

“Seria a tragédia completa e a equipe ficou um pouco receosa. Tudo isso faz parte da experiência das equipes e o Flamengo tem jogadores que sabem viver com as pressões do jogo. Era muito importante não sofrer gol e não sofremos. Sou fã de um grande treinador que era o Johanna Cruyff. Ele dizia: “Prefiro ganhar de 5 x 4 do que de 1 x 0”.

Thuler e Mari

“São dois jovens que estiveram muito bem. O Ângulo é muito difícil de marcar, joga bem de costas, sabe utilizar os espaços, e o Pablo não deu hipótese nenhuma de saída.”

Inter

“Não olhei muito para o Inter. Minha semana foi olhando para o Emelec, com quem não tínhamos jogado bem. Penso jogo a jogo. Quando for a hora, vou olhar sabendo que é uma grande equipe, o Guerrero é um grande atacante, tentei levá-lo para Arábia Saudita. Quando for a hora de enfrentar o Inter, vamos tentar ser melhor do que eles.”

Ribeiro e Arrascaeta contra o Bahia

“Depois do jogo com o Botafogo, o Doutor falou: “Mister, pode pensar que sou capaz de recuperá-los”. Começamos a pensar, principalmente o Arrascaeta, e decidimos dividir. O Éverton começou e quando o tirasse teria o Arrascaeta. Assim dividi. Perguntei ao doutor se o feedback foi de complicação e até agora não há nada assim. Espero que tudo esteja normal amanhã e, se estiver, conto com eles contra o Bahia.”

Filipe Luís

“Está conosco há uma semana. O último da Copa América foi dia 7, ele já não jogou os últimos dois jogos por ter uma lesão muscular. Desde que chegou, treinou 100%, teve uma semana de trabalho para repor as qualidades físicas. Esperamos muito dele e se tiver indicação de que posso lançá-lo, será lançado.”

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here