Colunas

O Caminho para Lima – Parte 1

1

Salve Nação Rubro-Negra! Entramos na semana mais importante dos últimos 38 anos. No próximo sábado (23) ás 17:00hrs, o Flamengo entra em campo contra o River Plate no estádio Monumental de Lima pela final da Taça Libertadores da América. Para esquentar os tamborins e dar uma injeção de adrenalina na ansiedade, vamos relembrar como foi o inicio do caminho para Lima para o Mais Querido na Libertadores 2019.

O caminho para Lima começa na altitude

O Mengão começou sua campanha contra o fraquíssimo San Jose-BOL na altitude (e melhor jogador) de 3.700 metros da cidade de Oruro. O time comandado pelo então técnico Abel Braga suou pra vencer o time da casa por 1×0, gol de Gabriel Barbosa. O grande destaque do jogo ficou por conta do goleiro Diego Alves que fechou o gol com várias defesas difíceis e foi eleito o melhor jogador em campo. O Flamengo estreava com vitória na competição e pela primeira vez em sua história, começava o torneio vencendo fora de casa.

 

Estreia em Casa

Uma semana após vencer fora de seus domínios, o Flamengo começava sua caminhada em seu território. No Maracanã lotado com 62.440 torcedores, o time da Gávea fez uma partida muito boa, mas por erros bobos poderia ter colocado tudo a perder. Éverton Ribeiro abriu o placar aos 7 minutos.

Aos 43′ Diego Ribas cometeu pênalti bobo, mas o seu xará Diego Alves defendeu a cobrança de Intriago e garantiu a vantagem mínima para o intervalo.

No segundo tempo, a LDU cresceu no jogo e teve boas oportunidades de empatar. Gabriel Barbosa aos 23′ e Uribe aos 35′ ampliaram o placar. Borja ainda diminuiu de pênalti aos 44′ mas já era tarde. O Rubro Negro largava bem demais na Copa com duas vitórias em dois jogos e ainda tendo mais dois jogos seguidos em casa para disputar.

 

No último jogo do turno, o Flamengo enfrentou o gigante Peñarol-URU. Num jogo de pouca inspiração e vários gols perdidos, o Mais Querido conheceu sua primeira derrota na competição. Um jogo que já estava difícil no 11 contra 11, se complicou mais ainda após uma expulsão boba de Gabriel Barbosa aos 23 do segundo tempo, por um carrinho dado no campo de ataque. Por ter mais organização e mais cabeça, o Peñarol foi premiado com o gol da vitória marcado por Viatri aos 43 min do segundo tempo.

Drama no caminho para Lima

O Flamengo fez seu último jogo em casa pela fase de grupos, contra o fraco San Jose-BOL. Foi um atropelo, mas teve um pequeno susto. Diego abriu o placar aos 2′, aos 4′ o time boliviano teve um jogador expulso, e aos 18, conseguiu empatar o jogo. A torcida ensaiava algumas vaias, mas aos 30′, Everton Ribeiro tirou a igualdade do placar. Depois disso, virou passeio. Ribeiro de novo, Arrascaeta, Vitinho e Gutierrez (contra) fecharam o placar em 6×1 e a festa rubro-negra no Maracanã.

 

O Flamengo chegou a Quito para enfrentar os donos da casa, dependendo de uma vitória para se classificar com uma rodada de antecedência. E apesar de ter saído na frente com gol de Bruno Henrique, fez um jogo ruim, sentiu a altitude e acabou perdendo por 2×1. Os erros primários nos dois gols do time da casa, mostrou que se o Flamengo quisesse ir mais longe na competição não poderia errar tanto assim.

Clima quente no Uruguai e o fim da fase de grupos

O último jogo da fase de grupos prometia ser tenso dentro e fora de campo. Os hinchas do Peñarol prometiam vingança pela confusão no Rio de Janeiro e pelos torcedores que ficaram presos aqui no Rio.

Dentro de campo, corria mais tranquilo do que se esperava, se não fosse o festival de gols perdidos (mais um), o Flamengo poderia ter goleado os donos da casa. Mas aos 18′ do segundo tempo, Pará foi expulso e o jogo ficou dramático.

Mas a pressão do Peñarol, em nenhum momento foi efetiva, apenas teve muita posse de bola e um festival de cruzamentos. Gabriel no primeiro minuto de jogo e Vitinho nos acréscimos, perderam gols inacreditáveis que quase fizeram falta. Mas o 0x0 classificou o Mais Querido para as oitavas de final da Libertadores pelo segundo ano consecutivo.

 

Foi uma fase de grupos que começou tranquila mas teve contornos dramáticos nos últimos dois jogos. Porém, o Mengão passou e continuou seu caminho para Lima (ainda era Santiago, mas ok). Na sexta, véspera da decisão, teremos a segunda parte, mostrando como foi a campanha do Flamengo no mata-mata da Libertadores.

SRN

Gabriel Fareli

Gabriel Fareli
Pai do Enzo. Rubro-Negro. Estudante de Jornalismo (2/8). Apaixonado por Samba/Pagode.

    O Flamengo quebra tabus e recordes.

    Previous article

    A grande final: informações relevantes ao público

    Next article

    1 Comment

    1. Deu raiva só de lembrar do Peñarol, mesmo sabendo que o final da história é feliz hahaha

    Leave a reply

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    TABELA