Foto: Alexandre Vidal/CRF

Compreensível torcedor querer mais do Flamengo sabendo que ele pode entregar mais. Porém não há como comparar sobre o que foi 2019, pois em 2020 há uma pandemia mundial.

Se Jorge Jesus estivesse no comando rubro-negro, possivelmente, o time enfrentaria melhor os desafios por já terem um jogo desenhado e saberem o que o português queria em campo.

Ou não. 2020 é o ano que o esporte deixou de ser realizado no mundo todo. E o futebol ficou parado por meses. Não houve qualquer outro contexto, neste século, como este atual.

Mas o Mister decidiu ir para seu país. E foi preciso buscar outro treinador que topasse vir para o Brasil em meio a uma pandemia, que não está minimamente controlada no país. Domènec Torrent aceitou.

Sim, ele sabia que iria encarar um grande desafio e estava disposto a encará-lo. Errou bastante no início de Flamengo, tentando implantar seu estilo de jogo mesmo sem treino. No entanto, como se pôde perceber, os jogadores, por conta de condicionamento físico, não estavam conseguindo realizar o mínimo que já haviam aprendido nas mãos de Jorge Jesus.

Porém é possível notar uma evolução constante de um time que não tem tempo para treinar, e acabou de realizar jogos em menos de 48 horas. Jogadores cansados, voltando da seleção, desgastados, não dá para exigir o máximo. Isto é insano.

Tudo o que aconteceu desde o 5 a 0 contra o Independiente Del Valle impactou diretamente nas performances dos atletas, para o bem e para o mal. A torcida vislumbrou um time que atuou bem, no Maracanã, o segundo jogo contra o IdV. E a equipe quase devolveu os 5 a 0, faltou apenas um gol. 

Também foi demonstrado que os meninos da base podem ser aproveitados. Mas as jogadas trabalhadas exigem repetição em treinos, e isso o Flamengo não tem. A única semana cheia que o catalão teve, até agora, foi antes do jogo contra o Santos. Dome tenta ajeitar as imperfeições apenas na conversa.

Outro ponto a ser destacado é que o Flamengo saiu atrás, no placar, nos últimos três jogos. E a boa notícia é que, em dois deles, a equipe rubro-negra conseguiu virar a partida, o que aponta como estão adquirindo mais confiança em campo. Boas atuações também dependem da mentalidade do atleta. Hoje, contra o Red Bull Bragantino, o empate veio, mas não conseguimos marcar o segundo gol.

Analisando, emocionalmente, como essa partida era importante para o Mais Querido ficar na liderança do Campeonato Brasileiro, o empate foi um resultado ruim. E sim, houve falhas defensivas, erros técnicos que podem ser melhorados. Mas, racionalmente, o empate ficou de bom tamanho para este momento. Há todo um processo de recuperação que precisa ser considerado. Dome entrou com os atletas que deu para ir.

“19 covids, jogamos contra o Del Valle já tínhamos sete covids e não sabíamos, além da altura. O esforço que o time fez esse mês foi maravilhoso. Tudo o que aconteceu esse mês foi uma loucura”, disse Dome após o empate contra o Red Bull Bragantino.

E  não dá para discordar.

Pessoas comparam seu jogo, o fato dos atletas ainda não o terem assimilado totalmente, e o rodízio que Dome faz, mas não analisam o contexto pandêmico em que vivemos e que Jorge Jesus nem sonhava ter. Alias, ninguém.

O rubro-negro tem um elenco que está sendo capaz de suportar tudo que vem acontecendo e também essa maratona insana que a CBF impôs, mas que o Flamengo aceitou. Jogo terça e outro quinta. Qual outro time teve esta sequência até aqui?

Domènec Torrent tem Jorge Jesus a sua sombra. Mas o torcedor precisa compreender que, além de um técnico novo, que não tem tempo para treinar, nada de 2020 pode ser analisando visualizando 2019.

Pouco a pouco o Flamengo evolui nas mãos do catalão. E quem não consegue perceber isso já está com má vontade. Como foi dito no início, compreensível o torcedor pedir mais de um time que pode dar mais.

No entanto, o time também precisa que seu contexto seja mais favorável para evoluir. E vamos torcer para que evolua. A torcida precisa confiar. Seremos felizes!