Futebol Profissional

“E o Brasileiro já ganhamos SETE” – Os títulos brasileiros do Flamengo

Começava a década de 1980, o Flamengo já era considerado o “Mais Querido do Brasil”, já era um clube de massa e com uma bonita história de títulos e grandes jogadores, mas faltava ainda um troféu em âmbito nacional para ratificar toda a fama que o clube tinha. E foi em 1980 com a geração de Zico, Júnior e Andrade que já prometia grandes triunfos desde a década de 1970 que o rubro-negro quebrou a barreira do estado do Rio de Janeiro.

“Foi em 80 com o gol do Nunes…”

O Campeonato Brasileiro de 1980 foi originalmente chamado de Taça de Ouro pois seria o primeiro campeonato organizado pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF) que era Confederação Brasileira de Desportos (CBD) e foi desmembrada em setembro de 1979. A confederação dividiu os 40 times mais fortes a época e dividiu em quatro grupos com dez times e turno único onde se classificariam os sete melhores colocados de cada chave. O Flamengo ficou no grupo C com Santos, Botafogo-PB, Internacional, Ponte Preta, Ferroviário-CE e Naútico (classificados) além de Itabaiana, Mixto e São Paulo-RS.

O Flamengo se classificou na segunda colocação e terminou a primeira fase cinco vitórias, três empates e uma derrota. A segunda fase seriam 32 clubes (28 classificados da primeira fase) mais Americano, Sport, Bangu e América-Sp que vieram da Taça de Prata. Caímos de novo num grupo com o Santos, mas dessa vez os rivais eram Desportiva Ferroviária e Ponte Preta. Mas como dessa vez só classificava o primeiro do grupo, passamos em primeiro com duas vitórias e um empate.

Chegávamos a semifinal e o rival era Coritiba. Mas com duas vitórias tranquilas por 2×0 no Rio e 4×3 no Paraná, o Flamengo chegava a decisão do campeonato brasileiro. E o duelo seria com o perigoso Atlético-MG, duelos aliás que se repetiriam algumas vezes nos próximos anos e ficariam eternizados.

No primeiro jogo em Minas Gerais, vitória do Galo por 1×0, gol de Reinaldo. No jogo da volta no Maracanã lotado, o Flamengo abriu o placar com Nunes, um minutos depois Reinaldo empatou para o Galo. No último minuto do primeiro tempo, Zico (sempre ele) desempatou para o Mais Querido. Aos 20 min do segundo tempo, Reinaldo que estava contundido e se arrastava em campo, recebeu livre e empatou novamente.

Aos 38′, quando o Atlético já começava a sentir o cheirinho do troféu, Nunes recebeu na pequena área, deu um drible desconcertante no zagueiro Silvestre e balançou as redes. O Maracanã veio abaixo, e diante de 154 mil pessoas, o Flamengo era campeão do Brasil pela primeira vez.

 

“82, o passe foi do Zico”

No campeonato brasileiro de 1982, o formato se manteve parecido com o de 1980, mas com mata-mata começando nas Oitavas. O Flamengo que tinha sido coroado campeão mundial a pouco meses, estreou nas oitavas contra o Sport e passou sufoco. Após vencer o jogo no Maracanã por 2×0, perdeu na Ilha por 2×1 e ficou por um gol de ser eliminado precocemente. Depois disso, passou por Santos e Guarani, até chegar a decisão contra o Grêmio.

No Maracanã, o Grêmio saiu na frente no primeiro jogo, e o Fla só conseguiu empatar com Zico aos 44′ do segundo tempo, empate em casa que no final da contas acabou sendo lucrativo. Agora, caberia ao Mais Querido vencer o jogo em Porto Alegre. No segundo jogo, empate por 0x0, o que na época levava a um terceiro jogo de desempate. No jogo derradeiro, o time de Zico abriu o placar com Nunes aos 10′ e depois disso, não houve alteração no placar. O Flamengo era bi-campeão brasileiro em Porto Alegre.

“83, o Mengo goleou”

Em 1983, após 19 jogos e passar por três fases, o Flamengo chegava as quartas de final para enfrentar o maior rival Vasco da Gama. Após vencer por 2×1 no jogo de ida, um empate por 1×1 classificou o Mengão para a semifinal. O rival da fase seguinte seria o Atlético-PR, após uma vitoria acachapante no Rio de Janeiro por 3×0, parecia que a vaga na finalíssima já estava garantida. Mas o Furacão venceu por 2×0 e por pouco não eliminou o atual campeão do torneio. E a decisão do Brasileirão seria contra o Santos de Serginho Chulapa que foi o artilheiro daquele campeonato.

No jogo de ida, o Santos chegou a abrir 2×0 no placar, mas um gol de Baltazar levou o Flamengo vivo para o jogo da volta. E na finalíssima no Maracanã, com o maior público da história dos campeonatos brasileiro até hoje (155.523 pessoas) , o Flamengo atropelou o time da baixada santista. Um 3×0 inapelável com direito a olé e chilique de Chulapa no final do jogo, obviamente revoltado com a derrota acachapante. Tri-campeonato na conta e Flamengo era o time mais vitorioso do Brasil na década de 80.

 

“87 foi pura magia, quando ganhamos a Copa União”

Antes de tudo, quero avisar que não vou entrar em discussão e não quero falar nada sobre a fórmula ou como aquele campeonato foi organizado. Vou falar a campanha do Flamengo e ponto. Não tenho mais saco para esse assunto.

No Brasileirão de 1987, apesar de ter um time excelente, o Flamengo passou por momentos de instabilidade. Após 15 jogos e duas fases, a campanha foi de 6 vitórias, 5 empates e 4 derrotas. Mesmo não sendo uma campanha excelente, foi suficiente para levar o time as semifinais do campeonato.

E a semifinal contra o Atlético-MG foram em dois jogos eletrizantes. No primeiro jogo, vitória por 1×0 no Maracanã com gol de Bebeto. No Mineirão, no jogo da volta, talvez o melhor jogo do campeonato: o Flamengo abriu 2×0 com Zico e Bebeto, o Galo empatou com Chiquinho e Sérgio Araújo. Quando a maré parecia virar para o time de BH, Renato Gaúcho recebeu no mano a mano com zagueiro, ganhou na corrida, driblou o goleiro e colocou o Mengão na final.

 

Na decisão do campeonato, o Flamengo enfrentou o bom time do Internacional de Porto Alegre, do goleiro promissor Taffarel. No jogo de ida, 1×1 no Beira- Rio com gols de Amarildo e Bebeto. No Maior do Mundo, vitória por 1×0 do Flamengo, também gol do baiano arretado Bebeto, que foi peça importantíssima no tetra campeonato do Flamengo.

 

“92, a falta foi do Júnior…”

Depois de passar por uma primeira fase de 19 jogos e um grupo com Vasco, São Paulo e Santos, tinhamos mais uma decisão de campeonato brasileiro pela frente: a quinta em 11 anos. E pela segunda vez na história, seria uma decisão entre dois times do Rio. Depois de Fluminense x Vasco em 1984, teríamos um Flamengo x Botafogo pela decisão do campeonato brasileiro de 1992.

No primeiro jogo, o Fla já colocou uma mão e meia na taça: vitória por 3×0 de forma acachapante, transformando o jogo da volta em praticamente um protocolo. O que se confirmou quando o Flamengo abriu 2×0 no placar e 5×0 no agregado. Os dois gols do Botafogo depois dos 40 do segundo tempo, não foram sequer sentidos. O Flamengo se tornava pentacampeão brasileiro.

“Bonita foi a festa, do Hexa com o Imperador”

Já eram 17 anos de jejum, desde 1992 o Flamengo não conquistava um campeonato brasileiro. E dessa vez, no início do campeonato nem o mais fanático rubro-negro apostava no título. O time não era dos melhores, e ainda por cima ainda havia uma crise de elenco com o então treinador Cuca. Mas com a demissão do mesmo, a efetivação de Andrade somados a chegada de Adriano Imperador, Petkovic, Maldonado com os brilhos de Bruno, Zé Roberto e cia limitada, o Flamengo conquistava seu sexto título brasileiro.

Numa arrancada que deixou pra trás os então líderes e favoritos Palmeiras e São Paulo e disparou rumo ao título. Foram 38 jogos com 19 jogos, 10 empates e 9 derrotas, com 58 gols a favor e 44 contra. Adriano Imperador foi o artilheiro do campeonato com 19 gols ao lado de Diego Tardelli do Atlético-MG.

Na “final”contra o Grêmio, ainda tivemos um susto: Roberson abriu o placar, mas David Braz e Ronaldo Angelim viraram o placar e garantiram a ida do troféu para a Gávea. Mesmo com time totalmente reserva, o time do Sul deu muito trabalho, tendo inclusive um gol perdido de forma inacreditável nos últimos minutos de jogo.

 

O Hepta Brasileiro de forma arrasadora

10 anos depois do Hexa, o Flamengo foi novamente campeão do Brasil, mas dessa vez sem dar chances aos adversários de sequer sonharem com o título. Após abrir 4 pontos do Santos na virada do turno, o Fla deslanchou e terminou o campeonato com incríveis 24 pontos sobre o mesmo time da baixada santista.

Foram incríveis 38 jogos com 28 vitórias, 6 empates e 4 derrotas, com 86 gols pró e 37 gols contra e mais de 79% de aproveitamento. Foi algo assustador, assombroso. O Flamengo sabia a hora de acelerar, de parar, parecia que venceria o jogo a hora que quisesse. Passou por cima de praticamente todos os adversários, apenas o São Paulo (com dois empates) conseguiu não perder em nenhum dos turnos para o Mais Querido.

 

 

Leia também: Os 10 maiores artilheiros da história do Flamengo

 

Por: Gabriel Fareli

 

 

 

 

 

Gabriel Fareli

Pai do Enzo. Rubro-Negro. Estudante de Jornalismo (3/8). Apaixonado por Samba/Pagode.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar