Futebol Profissional

Dias de luta, dias de glória: Laterais-Direitos da história do Flamengo

No futebol brasileiro temos visto uma escassez de bons laterais, principalmente na lateral direita. E no Flamengo, não tem sido diferente, são poucos bons jogadores da posição que vestem e já vestiram a camisa rubro-negra, sem contar que na base poucos são revelados. Então vamos relembrar os 3 melhores e 3 piores laterais da história do Fla.

3º pior da história – Luizinho (2007-2008)

O terceiro pior lateral da história do Flamengo é Luizinho. Em 2007 o jogador mudou-se para o Rio de Janeiro, aonde foi jogar pelo Rubro-Negro carioca. Eleito melhor lateral direito do Campeonato Mineiro de 2006, Luizinho é mais um dos jogadores que trabalharam com o técnico Ney Franco no Ipatinga e que veio jogar no Fla a pedido do treinador, em 2006.

Luizinho chegou ao Flamengo em 2007 para ser reserva imediato de Léo Moura mas não conseguiu se firmar Foto: Alexandre Cassiano/Ag. O Globo
Luizinho chegou ao Flamengo em 2007 para ser reserva imediato de Léo Moura na lateral mas não conseguiu se firmar Foto: Alexandre Cassiano/Ag. O Globo

 

Ele chegou para ser reserva de Leonardo Moura, e continuou nesta posição mesmo com a troca de treinadores, quando saiu Ney Franco e entrou Joel Santana, no meio do ano de 2007. No começo de 2009 foi contratado pelo Santos. Ao todo foram apenas 20 jogos pelo Flamengo.

2º pior da história – Mauro Fonseca (1997-2002)

E em segundo lugar, um dos jogadores que a torcida mais pegou no pé na posição. Maurinho chegou ao Flamengo em 1997, vindo do Bragantino. A princípio, jogaria de volante, sua posição de origem, mas acabou deslocado para a lateral direita. Seu começo foi difícil, com muitas críticas da torcida. O jogador fez ao todo, com a camisa rubro-negra, 209 jogos e marcou dez gols. A passagem dele no Rubro-Negro durou cinco anos: 1997 a 2002.

O jogador também foi protagonista de uma das cenas mais inusitadas proporcionada pela torcida do Flamengo. O fato ocorreu em um 1º de Abril, no jogo contra o Olaria pelo Carioca de 2000, no Maracanã. Naquele famoso gesto de gritar o nome de todos os jogadores antes das partidas, quando chegou à vez do lateral, a torcida gritou: “Ão ão ão, Maurinho é seleção.” Só que logo em seguida escutou os gritos de “il il il, primeiro de Abril” vindos da arquibancada.

Maurinho foi um jogador muito contestado pela torcida do Flamengo Foto: Divulgação
O ex-lateral Maurinho foi um jogador muito contestado pela torcida do Flamengo Foto: Divulgação

 

Maurinho deixou o Flamengo em 2002. Passou por clubes como Coritiba, Paysandu e Náutico. Após encerrar a carreira, começou a se preparar para ser treinador. Em seu primeiro trabalho, assumiu o Mageense e foi campeão da Série C do Carioca, em 2018. No ano seguinte, comandou o Barra Mansa na Série B2 e chegou à semifinal do torneio. No início de 2020,  foi anunciado como novo técnico do Serrano, de Petrópolis, região serrana do Rio de Janeiro. O time está atualmente na Série B1 do Campeonato Carioca.

Pior lateral da história do Flamengo – China (2004-2005)

E o primeiro, e consequentemente o pior lateral, é o Leonardo Bruno dos Santos Silva, mais conhecido como “China”. Chegou ao Flamengo em 2004, e foi apresentado coincidentemente no dia do seu aniversário. Sua estreia aconteceu com vitória diante do São Caetano, depois desta, foram mais 31 partidas vestindo a camisa rubro-negra e apenas um gol marcado, no empate contra o Paysandu-PA no dia 7 de outubro de 2004. Ficou no Fla até o final de 2005, quando, com a chegada de Leonardo Moura e o inchaço no elenco, passou a ser pouco utilizado.

Com uma qualidade técnica limitada, China acabou não agradando no tempo em que vestiu a camisa do Flamengo Foto: Divulgação
Com uma qualidade técnica limitada, o lateral China acabou não agradando no tempo em que vestiu a camisa do Flamengo Foto: Divulgação

 

E agora, vamos para os 3 MAIORES laterais-direitos da história do Flamengo.

3º maior da história – Leonardo Moura (2005-2015)

Foram 10 anos de Flamengo, com muitas emoções, títulos e algumas decepções. A passagem de Léo Moura pelo Rubro-Negro foi bastante intensa e muito marcante. Após passagem pelo Braga (POR), o lateral, chegou em meados de 2005. Parte da torcida, no início, ficou com o pé atrás na sua contratação, por conta do seu passado pelos rivais e de sua grande rodagem, uma vez que até então não tinha feito duas temporadas seguidas em um mesmo clube.

No entanto, logo garantiu a sua titularidade e desde então, consagrou-se como ídolo, participando ativamente de diversos títulos que o clube conquistou, incluindo a Copa do Brasil de 2006, o Brasileirão de 2009 e a Copa do Brasil de 2013. Foi também, cinco vezes campeão carioca: 2007, 2008, 2009, 2011 e 2014.

Léo Moura atuou no Flamengo por 10 anos seguidos Foto: O Lance!/Wagner
Léo Moura atuou na lateral do Flamengo por 10 anos seguidos Foto: O Lance!/Wagner

 

Em 4 de outubro de 2014, atingiu uma marca importante, 500 jogos pelo Flamengo, na partida entre o Flamengo e o Santos no Maracanã, válida pela 26ª rodada do Campeonato Brasileiro. O rubro-negro foi derrotado por 1–0, gol de Robinho. Léo Moura renovou com o Flamengo até o final do Campeonato Carioca de 2015.

Só que em 23 de fevereiro de 2015, em conjunto com o Flamengo, anunciou a sua saída para o Fort Lauderdale Strikers, dos Estados Unidos. Em entrevista dada ao GloboEsporte.com, em Agosto de 2015, Léo informou que acredita que sua saída do clube foi sugerida pelo então treinador Vanderlei Luxemburgo.

Leia Também:Habemus, laterais!

Jogos de despedida

Sua última Partida em um jogo oficial pelo clube aconteceu em 1 de março de 2015, pela sétima rodada do Campeonato Carioca, contra o Botafogo, no Maracanã lotado com torcida total de 49.833 torcedores, que viram o Flamengo perder por 1 a 0 (detalhe que o jogo aconteceu no dia dos 450 anos do Rio de Janeiro).

Em 4 de março de 2015, se despediu da torcida do Flamengo em uma partida amistosa no Maracanã, para mais de 30.620 pagantes, contra o Nacional, conquistando a vitória por 2 a 0. Antes do jogo, foi homenageado com uma placa entregue por Zico (a curiosidade é que o lateral participou do jogo de despedida de Zico, na década de 1990, quando ainda era um dos garotos que entrou em campo com o time).

Zico entregou a placa de 500 jogos de Léo Moura na despedida do Lateral em 2015 Foto: Gilvan Souza/Flamengo/Divulgação
Zico entregou a placa em homenagem ao Léo Moura na despedida do Lateral em 2015 Foto: Gilvan Souza/Flamengo/Divulgação

 

Foi uma trajetória histórica para o lateral. Ao todo foram 519 jogos e 45 gols marcados, sendo o sétimo jogador que mais vestiu a camisa do Flamengo. Só que toda a sua história com a camisa Rubro-Negra, acabou tendo uma mancha por um episódio. Em 2017, o Grêmio vivia grande momento na Libertadores e o lateral direito aproveitou para provocar. Em entrevista para falar sobre sua renovação de contrato, Léo Moura tentou valorizar o clube gaúcho – mas acabou menosprezando a própria história.

– O peso do Grêmio é grande demais. Eu estive no Flamengo durante 10 anos e nunca cheguei a uma semifinal de Libertadores -, declarou à época.

2º maior da história – Rafinha 

Em segundo lugar, um jogador que não tem muito tempo no clube, mas que já conquistou e vem conquistando seu nome na história, o nome dele é Rafinha. O jogador tem apenas 10 meses de Flamengo, mas já pode ser considerado um dos maiores laterais que o clube já teve. Com uma grande e vencedora experiência na europa, o lateral foi contratado no dia 24 de Junho de 2019, com um contrato válido por 2 anos.

Rafinha chegou em 2019 e já conquistou a torcida e títulos importantes pleo Flamengo Foto: Alexandre Vidal/CRF
O lateral Rafinha chegou em 2019 e já conquistou a torcida e títulos importantes pleo Flamengo Foto: Alexandre Vidal/CRF

 

Ele chegou assumindo a vaga de titular, que era dividida pelos contestados Rodinei e Pará. Com sua qualidade técnica incontestável e sua liderança dentro de campo, ajudou o time Rubro-Negro a conquistar o tão sonhado título da Libertadores, depois de 38 anos, e o Campeonato Brasileiro de 2019. Esse ano já foram três taças levantadas: Supercopa do Brasil, Recopa Sul-Americana e Taça Guanabara. Rafinha já faz parte do time que com certeza marcou história no ano passado.

Leia Também:Gladiadores da Nação: O divertido Rafinha

Maior lateral-direito da história do Flamengo – Leandro (1978-1990):

No primeiro lugar, e consequentemente o maior lateral direito da história do Flamengo, não podia ser diferente, o grande Leandro é o nome da fera. O ex-jogador e ídolo do Rubro-Negro carioca fez parte do lendário time de 81. Destacava-se pela qualidade técnica diferenciada, um atleta completo, que honrou a camisa rubro-negra durante todo o tempo em que jogou.

Rubro-negro de coração, Leandro dedicou toda a sua carreira ao Flamengo, único clube de toda a sua história no futebol.  Jogou desde as categorias de base, entre 1976 e 1978, até o ano de 1990. Sem dúvida, foi um lateral-direito muito técnico, que apoiava bastante o ataque, mas que também marcava atrás com eficiência. Participou de muitos títulos com a camisa rubro-negra, destaque para os 3 Campeonatos Brasileiros:1982, 83 e 87;  Libertadores e Mundial em 1981.

Leandro é um dos maiores ídolos da história do Flamengo Foto: Divulgação
Leandro é o maior lateral-direito que já passou Flamengo e é um dos grandes ídolos Rubro-Negro Foto: Divulgação

Em 1990, Leandro surpreendeu muita gente ao comunicar a aposentadoria, em 1990, aos 31 anos de idade, após um jogo contra o Bangu. Em 1985, o lateral foi diagnosticado com uma artrose no joelho equivalente a de uma pessoa de 65 anos. Contudo, jogou bem por mais cinco anos e atingiu a histórica marca de 418 jogos pelo Flamengo. Ele marcou 14 gols em toda sua carreira. Um ídolo histórico do clube.

Leia Também: Lendas do Time de 1981: Leandro

Homenagem na Gávea

Uma homenagem mais do que merecida. Leandro, o lateral-direito campeão mundial interclubes pelo Flamengo em 1981, e um dos melhores jogadores da história do clube, teve seu busto inaugurado no hall de entrada da sede social da Gávea, no dia 23 de Março, de 2019. O evento contou com a presença do presidente Rodolfo Landim, do vice-presidente geral e jurídico, Rodrigo Dunshee, de outros vice-presidentes, grandes beneméritos, ex-atletas, sócios e centenas de torcedores. Vale ressaltar que o busto foi criado pelo escultor Eduardo Santos e idealizado pelos membros do Fla-Nação.

Homenagem feita no ano passado para o Leandro na sede da Gávea Foto: Gazeta Esportiva
Homenagem feita no ano passado para o ex-lateral Leandro na sede da Gávea Foto: Gazeta Esportiva

 

Confira os outros dois textos da nossa série: 

Dias de luta, dias de glória: Goleiros da história do Flamengo

Dias de luta, dias de glória: zagueiros do Flamengo

 

Etiquetas

Luhan Alves

Sou um estudante de jornalismo, apaixonado por futebol e informação. Twitter: @luhansalves Instagram: @luhansalves

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar