Colunas História do Flamengo

Copa Mercosul 20 anos – Final

Campeão da Mercosul
–Após abordar a primeira fase e depois conhecer sobre o confronto das quartas de final, na semifinal vimos como foi a ‘batalha de Montevideo’ e como o clima político do Flamengo estava conturbado. Enfim, chegamos na final da Mercosul e vamos relembrar essas duas partidas épicas que deram ao Flamengo o título da América na temporada 1999.  –

Fim de Temporada

Estamos em dezembro e até esse momento a temporada do Flamengo foi bastante irregular. Por exemplo, houve uma conquista estadual sobre seu maior rival, o Vasco da Gama, com um gol antológico marcado por Rodrigo Mendes. No entanto, houve, também, a eliminação frustrante contra o Palmeiras, na Copa do Brasil, na fase de quartas de final, após levar uma goleada. E, também, a campanha no Brasileiro foi decepcionante. Em 21 jogos, o Flamengo teve mais derrotas que vitórias (10-9), tendo, inclusive, mais derrotas que alguns dos clubes que foram rebaixados naquele campeonato e ainda terminou com saldo de gols negativo. Somado a isso, um momento político conturbado, com falta de autoridade interna no departamento de futebol, o que culminou com o afastamento da maior estrela do elenco e sua posterior negociação ao Vasco da Gama, com uma despedida melancólica pela porta dos fundos do clube.
–

O Adversário da Final

Além de uma temporada irregular, um time contestado pela torcida em virtude da fraca campanha no brasileiro e a perda de seu principal jogador, o Flamengo ainda teria pela frente um adversário com um ano ímpar em sua história. Em outras palavras, além de ter sido nosso algoz na eliminação da Copa do Brasil, o Palmeiras naquele ano de 1999, conquistou sua primeira Libertadores. Em conclusão, um time forte tecnicamente, com grandes valores individuais e que, no banco, tinha um técnico experiente: Luis Felipe Scolari conquistou sua segunda Libertadores na carreira e era conhecido como um técnico copeiro. Portanto, um adversário de valor e competência.
 

A Primeira Partida

–Como não poderia deixar de ser, o primeiro jogo foi épico. À sua maneira, o Flamengo teve um troco da Copa do Brasil, produzindo a sua própria virada no Maracanã. Juan abriu o placar e Júnior Baiano empatou para o Palmeiras antes do intervalo. No entanto, o Palmeiras passou à frente no segundo tempo, aos 23 minutos, com Asprilla – iniciando 16 minutos eletrizantes com cinco gols. Caio empatou, Paulo Nunes fez o terceiro dos paulistas e Caio surgiria novamente como salvador, para igualar para os rubro-negros. Por fim, aos 39, Athirson cruzou e o garoto Reinaldo decretou a vitória por 4 a 3. Acima de tudo, uma vitória convincente que deu ao Flamengo a vantagem do empate no jogo de volta. 

A Grande Final

–Num Parque Antártica lotado, mais um grande jogo proporcionaria a definição do campeão da Copa Mercosul. O Palmeiras entrou com tudo, escalando três atacantes, tendo sido o melhor no primeiro tempo, abrindo o placar aos 19 minutos, em pênalti convertido por Arce. A reação do Flamengo só começou no segundo tempo, em empate providenciado por Caio, logo no primeiro minuto. Rodrigo Mendes, mais uma vez, se forjava como herói ao fazer o segundo. Até que o Palmeiras virasse novamente, em duas falhas dos rubro-negros. Primeiro, Clemer não segurou uma cobrança de falta de Arce. Já aos 21, seria a vez de Paulo Nunes surgir para bagunçar a cabeça dos flamenguistas.–

Naquele momento, a vitória do Palmeiras forçava o terceiro jogo. E o Flamengo tentava reverter a situação, botando pressão. Até que os garotos da base tirassem o coelho da cartola. Em tabela com Reinaldo, Lê recebeu de calcanhar e encontrou um clarão pelo lado esquerdo da zaga palmeirense. De frente para o goleiro Marcos, teve a frieza de apenas deslocar o goleiro, estufando as redes. Na comemoração, não conseguiu segurar as lágrimas. O relógio apontava 38 minutos. Coube aos rubro-negros segurarem o empate por 3 a 3 até o final da partida. Em um ano tão difícil, o Flamengo conquistava a América. Dava um afago à torcida, depois de tudo o que acontecera nos meses anteriores. Coroava um grupo limitado que na base da raça ficou com a taça.

Números Finais

Durante a campanha da conquista da Copa Mercosul, o Flamengo fez ao todo 12 jogos, com 6 vitórias, 3 empates e 3 derrotas. Foram 33 gols marcados por 12 jogadores com destaque para Romário que foi o artilheiro do Flamengo e da competição com 8 gols e também para Caio (5 gols) e Rodrigo Mendes (4 gols). Ao todo, o Flamengo utilizou 24 jogadores na campanha, destaque para Clemer, Célio Silva, Maurinho, Leandro Avila e Rodrigo Mendes que foram os que mais atuaram. Fizeram parte do elenco Campeão: Fabão, Athirson, Léo Inácio, Marcelo Rosa, Pimentel, Reinaldo, Leandro Machado, Juan, Iranildo, Beto, Fábio Baiano, Luis Alberto, e Lê, que vindo do banco de reservas, foi um herói improvável e salvador daquele empate na grande final. No banco do Flamengo também estava outro baluarte de sua história, o técnico Carlinhos, ‘o Violino’. Ex-jogador clássico do Flamengo, Carlinhos tinha um estilo de jogo sublime, com muita técnica e categoria, por isso o apelido ‘Violino’. Carlinhos possui uma grande identificação com o Flamengo e o DNA do clube. Campeão Brasileiro em 92, Carlinhos foi um dos responsáveis por levar o Flamengo à conquista de seu segundo título sul-americano. Um grande rubro-negro que deixou raízes e memórias no clube, em forma de títulos e conquistas.–

Saudações Rubro-Negras