ColunasHistória do FlamengoIvan Queiroz

Copa Mercosul 20 anos – Parte 1

0
  • Nesse primeiro capítulo vamos conhecer a origem da Copa Mercosul e relembrar da primeira fase do Flamengo na competição.

–A Copa Mercosul

A competição criada pela Conmebol foi disputada nos anos de 1998 até 2001, era disputada somente por clubes convidados de 5 países,  os membros do Mercado Comum do Sul (Mercosul): Brasil, Argentina, Uruguai, Paraguai e Chile.
O formato do torneio era disputado por 20 clubes divididos inicialmente em cinco grupos com quatro participantes. Aonde eram realizadas partidas de turno e returno dentro de cada grupo totalizando seis partidas. Depois disso os vencedores de cada grupo além dos três melhores segundos colocados eram classificados para a fase de quartas de final. Quartas e semifinais eram disputadas em partidas de ida e volta. As finais de 1998 e 2000 definiram os campeões de suas edições em três partidas. Em 1999 e 2001, as finais foram disputadas em duas partidas.
Haviam muitas críticas ao método de classificação dos clubes ao torneio, já que eles eram escolhidos por redes de televisão e tinham somente a audiência como critério de escolha. Dessa forma algumas equipes menores nos países participantes que porventura fizessem uma boa campanha em seus campeonatos nacionais não seriam contemplados com esse convite.
Além disso, clubes dos outros países sulamericanos, também tinham sua própria competição, chamada Copa Merconorte, que contava com clubes da Bolívia, Peru, Equador, Colômbia e Venezuela. Ambas competições foram substituídas pela Copa Sulamericana a partir de 2002.

O time de 1999

–Era uma época de escassez de títulos para o Flamengo (o último título nacional havia sido em 1992), sete anos sem campanhas protagonistas ou relevantes no campeonato brasileiro. Além disso, esse período foi mais longo, entre 1993 e 2006 apenas uma vez o Flamengo esteve entre os sete primeiros. Para piorar, foi justamente nessa temporada em que nosso maior rival foi campeão, tendo inclusive goleado o Flamengo na fase final do campeonato brasileiro. 
Se o impacto do Flamengo, naquele momento, era pequeno nos principais torneios do país, o clube ainda cantava de galo no Campeonato Carioca. Por exemplo, naquele ano de 1999 foi campeão estadual numa final histórica contra o Vasco com gol de falta de Rodrigo Mendes. Foi a primeira conquista que culminaria no Tricampeonato estadual  do Flamengo com três finais contra o Vasco. 
Aquele elenco ainda contava com Romário, no entanto, era um time de mais operários do que de grandes estrelas. Jogadores aguerridos, que faziam valer em campo uma palavra mágica ao coração rubro-negro: a raça. Da mesma forma, esse Flamengo também contava com boas promessas da base.  

Início de Brasileiro

O Flamengo manteve um bom nível de atuações depois do Carioca. Por exemplo, o início da campanha no Brasileiro daquele ano foi muito promissor. Um desempenho digno de candidato ao título, foram 8 vitórias nos 12 primeiros jogos. Pchegando ao fim de setembro como líder do brasileiro junto ao Corinthians (que seria o Campeão Brasileiro de 1999). Tendo jogos marcantes como, por exemplo, o confronto contra o próprio Corinthians, quebrando a invencibilidade do clube paulista no Pacaembu. Foram dois belos gols de Romário numa vitória de 2×1 de virada. 

Começa a Mercosul

Ao início da competição, o Flamengo estava dividindo grupo com Olimpia-PAR, Colo-Colo-CHI e Universidad do Chile. O Flamengo começou bem sua campanha no torneio continental, foram duas vitórias nas duas primeiras rodadas. Venceu o Olimpia num vazio Maracanã com dois gols do Romário. 
–
Depois disso uma vitória expressiva fora de casa contra o Colo-Colo-Chi por 4×0 diante de 60 mil chilenos. Numa noite especial para Rodrigo Mendes, autor de dois gols com dois petardos de fora da área, placar que seria definido ainda com gols de Romário e Fábio Baiano (outro belo gol).
 
Todavia, o desempenho não se manteria, especialmente pelo excesso de expulsões dos jogadores rubro-negros – cinco, só na fase de grupos. Além disso, os jogos fora de casa do Flamengo não seriam mais como foi o primeiro. Foram duas derrotas seguidas para Universidad do Chile (0x2) e também para o Olimpia-PAR (1×3- gol marcado por Léo Inácio). 
 
Nesse ponto da competição o Flamengo estava com apenas 6 pontos na tabela, e ainda faria dois jogos em casa. No entanto, logo no primeiro confronto o Flamengo já tropeçou. Um empate contra o Colo-Colo-CHI, sofrendo dois gols com 34 minutos do segundo tempo após uma partida relativamente tranquila, com diferença de dois gols no placar construído ainda no primeiro tempo e muitas chances desperdiçadas. Placar final de 2×2, gols de Caio e Marco Antônio, resultado que complicou a classificação do Flamengo.–

Goleada para Classificar

–O Flamengo tinha poucas chances de assegurar a classificação como primeiro do grupo, com a vitória do Olimpia-PAR sobre o Colo-Colo-CHI, a única possibilidade de classificação era realmente como uns dos melhores segundos de grupo. O Flamengo que receberia o Universidad do Chile, sabia que era preciso uma goleada de pelo menos quatro gols de diferença. Depois disso com a mesma pontuação de outros segundos colocados como Corinthians e Nacional-URU era possível classificar. Assim o Flamengo entrou em campo decidido a fazer a atuação mais fulminante do ano. Em apenas 35 minutos, a missão já estava cumprida. Em outras palavras com uma noite brilhante de Romário, autor de quatro gols, o time de Carlinhos aplicou um 7×0 sobre La U. Romário, nessa partida bateu a marca de 200 gols com a camisa do Flamengo e entrou na lista dos cinco maiores artilheiros da história do clube. Os outros gols foram marcados por Caio, Marco Antônio e Rodrigo Mendes.
Saudações Rubro-Negras

Santa Cruz, o torcedor símbolo da Nação Rubro Negra.

Previous article

Jesus pede, e contratação de atacante vira prioridade no Flamengo

Next article

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error

Gostou do site ? Espalhe essa onda Rubro Negra

Instagram