Futebol ProfissionalHistória do Flamengo

A Galeria de Ídolos do Flamengo em 124 Anos de História

As glórias históricas do Clube de Regatas do Flamengo passaram pelos pés de cada um dos jogadores que, hoje, integram a galeria de ídolos do Maior do Mundo.

Adesivo Evolução Flamengo Mengão Escudos Em Vinil - R$ 39,90 em ...

“Ídolos são cultuados diariamente ao redor de todo o planeta pela maior variedade de grupos e crenças existentes e, sobretudo, tratados como divindades.” Pessoas, seres ou objetos são venerados e tornam-se símbolos importantes e eternos. Eternos. A palavra utilizada para definir o tamanho e a dimensão dos heróis imortalizados na história do Clube de Regatas do Flamengo chega a ser insuficiente perante tudo o que foi realizado por cada ser divino que pisou na Gávea e suou defendendo o rubro-negro.

124 anos de existência. 1 Mundial. 2 Libertadores da América. 7 Campeonatos Brasileiros. 3 Copas do Brasil. 35 Campeonatos Carioca. A extensa galeria de glórias do clube carioca passou pelos pés de lendas do futebol. Lendas que escreveram e cravaram seus nomes na galeria de ídolos do maior clube do mundo.

Na semana comemorativa de 1 ano do Redação Rubro-Negra, separamos uma lista de jogadores que marcaram época no Flamengo e breves relatos sobre suas trajetórias na Gávea em busca de títulos e vitórias. Ídolos novos e antigos. Ídolos eternos do clube. Imortais do futebol.

Confira nomes e trajetórias de alguns dos maiores ídolos do Flamengo

Leônidas.

Ídolos

Leônidas da Silva, o “Diamante Negro”.

“Poucos jogadores têm em suas carreiras um maior número de gols do que de partidas por um clube. Leônidas é um deles.”

Com a incrível marca de 153 gols em 149 jogos, o Diamante Negro foi um dos motivos para a rápida popularização do Flamengo. Chegando ao Rubro-Negro em 1936, ele foi artilheiro dos cariocas de 1938 e 1940, e principal jogador na campanha do título de 39, que pôs fim a um jejum de nove anos sem título para o clube da Gávea.

“Leônidas era um mágico do futebol”, disse o jornalista Mário Filho.

O jogador foi mais do que um craque do futebol, mas um símbolo que tornou o Flamengo um clube da massa. Pioneiro no Brasil e artilheiro da Copa de 1938, foi o primeiro futebolista brasileiro a ser reconhecido mundialmente e se tornou conhecido por inventar o gol de bicicleta.

“Leônidas é uma lenda do papel. É um jogador que quase ninguém viu atuar, mas que quase todos colocam como um dos melhores de todos os tempos. ” – André Ribeiro.

Como “Diamante Negro”, Leônidas teve sua alcunha utilizada no nome de um dos chocolates mais famosos do Brasil, tamanha a sua importância e influência.

Além disso, o craque lutava pelo direito dos negros e representava os ideais da maior parte da torcida rubro-negra. “Ele tinha uma atitude de valorizava os negros. Leônidas peitava os dirigentes, frequentava os lugares de elite. Era engrandecido pelas atuações, mas também pela imagem.” -Assaf

“Leônidas era um ídolo e soube captar muito bem a admiração do povo, como muitos não souberam. Por isso eu digo que ele foi o primeiro Pelé do futebol brasileiro. A exposição era imensa, mas ele soube lidar muito bem com isso”.

Leônidas. Diamante Negro. Um dos primeiros ídolos da história do Flamengo.

Domingos da guia.

Ídolos

Domingos Antônio da Guia, o “Divino Mestre”.

Domingos da Guia, o “Divino Mestre”, foi um zagueiro como pouquíssimos na história do esporte. Fazia o que queria com a bola, era um defensor inovador. Jogava sempre com a cabeça erguida e antevia os lances, fazendo com que a missão de driblá-lo fosse quase impossível. Sempre saía jogando com classe e categoria, e não cometia muitas faltas.

Na melhor fase de sua carreira, defendeu o Mengão de 1936 até 1943, disputando 223 jogos.

Foi nesse período que Domingos se consagrou definitivamente e foi fundamental para três importantes conquistas: os campeonatos cariocas de 39, 42 e 43. Neste último ano, o Flamengo tinha um grande esquadrão, que era assim formado: Jurandir, Newton, Domingos da Guia, Biguá e Artigas; Jaime e Zizinho; Valido, Pirilo, Perácio e Vevé.

Zagueiro clássico e de excelente técnica, é apontado como o melhor zagueiro brasileiro de todos os tempos. Sua “marca registrada” era sair driblando os atacantes adversários, preferindo essa tática do que se livrar da bola com chutões para a frente. Tal jogada de extrema habilidade e risco, mas que sempre foi perfeitamente executada por Domingos da Guia, ficou conhecida como “Domingada”.

Zizinho.

Ídolos

Tomás Soares da Silva, o “Mestre Ziza”.

Se Dida foi o ídolo de Zico, Zizinho era a inspiração de Pelé.

“Aos 18 anos, ele entrou no lugar do craque Leônidas e rapidamente caiu nas graças da torcida rubro-negra. Portanto, não poderia ser um jogador comum. E não era mesmo. Segundo Nélson Rodrigues, bastava os alto-falantes do Maracanã anunciarem o nome de Zizinho para se saber quem seria o vencedor da partida. Foi o maior jogador do primeiro tricampeonato carioca do Flamengo, de 1942 a 1944. Por 11 anos vestindo o Manto Sagrado, Zizinho marcou 145 gols em 318 jogos.”

Começou nas divisões de base do Byron, de Niterói, onde foi revelado, e jogou entre 1939 a 1950 no Flamengo. Com ele no time, o clube carioca ganhou o seu primeiro tricampeonato estadual em 1942, 1943 e 1944, além do Carioca de 1939. Zizinho saiu do Flamengo com 318 jogos e 146 gols, sendo considerado o maior ídolo do clube até a aparição de Zico.

“Eu fui um guerreiro da bola. Mas não gostava de arranhar a bola não. Eu gostava de deixar ela inteira. Ela é o amor da minha vida.” – Zizinho

Atacante também da seleção brasileira, Zizinho sucede e antecede grandes craques históricos. Vindo depois do já citado Leônidas da Silva, com quem jogou no Flamengo no início da década de 40, e vindo antes do próprio Pelé, com quem jogou no final dos anos 50, Zizinho é ídolo de Edson Arantes do Nascimento e foi eleito o melhor jogador da Copa do Mundo de 1950 e, em 1999, eleito pelo IFFHS como o maior jogador brasileiro de todos os tempos.

“Ponta ou é muito bom ou só serve para não deixar a bola sair pela lateral.” – Zizinho

Dida.

Ídolos

Edivaldo Alves de Santa Rosa, o “Dida”, ídolo de Zico.

Dida atuava na posição de meia campo e iniciou sua carreira no CSA de Maceió, sua cidade natal. Durante uma partida entre as seleções de futebol de Alagoas e da Paraíba, Dida foi notado por dirigentes do Flamengo. Convidado para testes no clube, foi aprovado e iniciou sua trajetória no clube de regatas.

Estrela do segundo tri-estadual do Flamengo (53,54,55), Dida carrega no currículo a honra de ter sido ídolo do próprio Galinho de Quintino. Servindo de espelho para Zico, Edivaldo Alves de Santa Rosa saiu de Alagoas para marcar época no futebol carioca e nacional.

“Olha, eu nasci… costumo dizer isso e as pessoas riem, mas é uma realidade. Quando a parteira bateu no meu bumbum eu gritei: Mengo! Não tem jeito.” (Dida)

Mesmo franzino, tornou-se o maior artilheiro do Flamengo até a era Zico, marcando, entre 1954 e 1963, 257 gols em 364 jogos. Pelo clube carioca, Dida ainda entrou para a Seleção do Flamengo de Todos os Tempos e foi o maior goleador do clube carioca nas décadas de 50 e 60.

Na seleção, era o camisa 10, titular absoluto até a Copa de 58 e só perdeu a vaga por conta de uma contusão para um jovem Edson Arantes do Nascimento, o Pelé.

“Se não houvesse o Flamengo, teria que ser feito um imediatamente. Para mim, é mais que uma religião.” -Dida

Uri Geller.

Ídolos

Júlio César da Silva Gurjol, o “Uri Geller”.

“Ponta-esquerda, jogou no Flamengo durante as décadas de 1970 e 1980. Se autodenominou o “Uri Geller” por acreditar na sua capacidade de “entortar” os zagueiros adversários com dribles desconcertantes, como supostamente fazia com colheres o célebre ilusionista israelense homônimo durante a década de 1970.”

Cria da base rubro negra, se firmou entre os titulares na década de 70 e, nos 6 anos que atuou pelo clube, vestiu a camisa do Flamengo em 134 partidas e marcou dez gols. Porém, seu verdadeiro mérito eram os cruzamentos que perpetuaram em centenas de gols e sua incrível facilidade de deixar marcadores para trás.

Uri Geller participou das conquistas dos Campeonatos Carioca de 1978, 1979-especial e 1979 e do Campeonato Brasileiro de 1980.

Júlio César deixou a Gávea em 1981 e não participou da conquista da Libertadores e do Mundial. No entanto, cravou seu nome na história do Flamengo e foi parte crucial de equipes históricas e que marcaram época.

Zico.

Ídolos

Arthur Antunes Coimbra, o Zico, o “Galinho de Quintino”, o maior de todos.

“A história foi escrita. Desde a sua estreia nas categorias de base até a sua despedida em um Maracanã lotado de flamenguistas fanáticos, Arthur Antunes Coimbra entrou para os livros, para as mentes e para o coração da maior torcida do mundo, local do qual nunca sairá.

A Ilíada torna-se um texto comum quando comparada à lenda que o meio campista foi para o Rio de Janeiro, para o Brasil, para o mundo, para o Flamengo. Épico, como dizem. Um garoto que saiu pela porta de casa procurando jogar bola e encontrou o amor de uma Nação inteira. Um homem que parece lenda, e é. Um homem que, segundo o seu pai, seu Antunes, aprendeu a dizer ‘Mengão’ antes do que ‘papai’ e ‘mamãe’.”

Principal ídolo da história do clube, Arthur Antunes Coimbra vestiu a camisa do Flamengo pela primeira vez em 1967 sem saber que sua trajetória o levaria à imortalidade e à idolatria de toda uma Nação.

“Realmente na minha veia corre o sangue vermelho e preto” – Zico

Cria da base, Zico se profissionalizou em 1971 e foi se tornar “o camisa 10 da Gávea” em 1978. Começava ali a Era Zico e a vindoura Geração de Ouro, a mais vitoriosa da história do futebol rubro-negro. Com o Galinho de Quintino em campo, o Flamengo conquistou 37 títulos, nacionais e internacionais, em 28 anos.

Líder notável da vitoriosa trajetória do Flamengo nas décadas de 1970 e 1980, com ápice nas conquistas da Taça Libertadores da América e do Mundial pela equipe carioca, além dos títulos do Campeonato Brasileiro de 1980, 1982, 1983 e 1987, o Galinho é considerado por muitos especialistas, profissionais do esporte e, em especial, pelos torcedores do Flamengo, o maior jogador da história do clube, e o maior futebolista brasileiro desde Pelé.

Com um total de 587 gols marcados em sua carreira, Zico é o meio campista que tem mais gols na história do futebol. É, ainda, o maior artilheiro da história do estádio do Maracanã, com 333 gols em 435 partidas. Marcou 135 gols em campeonatos brasileiros.

Zico. O maior de todos os tempos. O ídolo supremo do Clube de Regatas do Flamengo.

“Nós poderíamos não ser rubro-negros, mas esses certamente não seríamos nós!” – Zico

Nunes.

Ídolos

João Batista Nunes de Oliveira, o “Artilheiro das Decisões”.

“Folclórico, cheio de personalidade e decisivo.” Nunes entrou para a história do Flamengo como o homem que botava a bola para dentro na hora que mais precisava.

Fez parte da geração mais vitoriosa do Flamengo que, entre 1980 e 1983, conquistou três Campeonatos Brasileiros, a Libertadores da América e o Mundial Interclubes. A raça e oportunismo o transformaram em mais um ídolo da torcida flamenguista.

Ganhou o apelido de Artilheiro das Decisões em virtude de sua impressionante vocação de marcar gols em decisões de campeonatos. Suas vítimas mais ilustres foram o Atlético-MG, o Liverpool e o Grêmio que, respectivamente, perderam para o Flamengo o Campeonato Brasileiro de 80, o Mundial de 81 e o Campeonato Brasileiro de 82, todos com gols de Nunes nas finais.

No total, o artilheiro atuou por oito anos na Gávea, participando de 214 jogos e marcando 99 gols.

“Bem, eu chutei, ela foi indo, indo… e iu.” – Nunes

Júnior.

Ídolos

Leovegildo Lins da Gama Junior, o “Maestro”.

Nenhum jogador vestiu tantas vezes o Manto Sagrado quanto Junior. Começando a carreira como lateral na chamada Geração de Ouro e terminando como comandante de uma safra de jovens que viria a conquistar o Campeonato Brasileiro de 1992, quinto da história do clube e quarto de sua carreira, é referência no futebol rubro-negro.

Com números expressivos, Júnior, em 16 temporadas na Gávea, disputou 874 jogos, sendo o jogador que mais vestiu o Manto Sagrado na história, marcou 77 gols e conquistou 20 títulos importantes.

Como jogador, Júnior era ambidestro, bom marcador e grande distribuidor de jogadas, independente da posição. A facilidade para jogar bem com as duas pernas o permitiu atuar como lateral-esquerdo, direito, volante e meio-campista.

Em 1981, recebeu até propostas do Real Madrid, mas o coração falou mais alto.

“Eu poderia ter ido para Europa antes de 82, tive uma proposta do pessoal do Real Madrid depois do Mundialito do Uruguai em 81, mas naquela época não me entusiasmou muito esse negócio de ir embora. Jogava num clube que ganhava sempre, tinha um ótimo salário, tinha a minha família, então, não tinha a necessidade de ir para fora.”

Júnior, O Maestro, ficou e fez história.

“O Flamengo sempre será minha segunda casa e sua camisa, a segunda pele.” -Maestro Júnior

Andrade.

Ídolos

Jorge Luís Andrade da Silva, o “Tromba”.

No Flamengo, Andrade começou sua carreira profissional em 1974 e, após passar duas temporadas emprestado ao ULA Mérida, retornou à Gávea em 1978 e conquistou a vaga de titular absoluto. Participou da fase mais gloriosa do rubro-negro, conquistando a Copa Libertadores da América e o Mundial de 1981.

Apesar de volante, Andrade era um jogador de muita técnica, dotado de excelente visão de jogo e capaz de realizar lançamentos de longa distância com extrema perfeição. Um meio-campista completo.

Depois que parou de jogar, treinou o CFZ por 2 anos, e em seguida, tornou-se auxiliar técnico no Flamengo. Por quatro vezes assumiu o cargo de técnico interino da equipe principal e duas como treinador principal.

Foi em 2009, com a saída do técnico Cuca, que Andrade assumiu definitivamente o Flamengo. Depois de apresentar bons resultados, foi efetivado como técnico para a disputa do Campeonato Brasileiro. Posteriormente conquistou o título da competição, com jogadores como Adriano e Petkovic, e o prêmio da CBF de melhor técnico do Brasileirão 2009.

Rondinelli.

Ídolos

Antônio José Rondinelli Tobias, o “Deus da Raça”.

Sua história na Gávea começou nas categorias de base em 1968. Chegou ao time principal em 1971 e começou a sua jornada para se tornar ídolo dois anos depois, quando conquistou a posição de titular.

“Quando comecei a jogar pelo Flamengo, aprendi logo que quem veste a camisa do Flamengo tem de mostrar garra e amor à torcida, não importa a qualidade de seu futebol. Caso contrário, é melhor pedir para ir embora”. -Rondinelli

Foi com seu gol de cabeça contra o Vasco, na final do Estadual de 1978, que a “Geração de Ouro” nasceu. Zagueiro vigoroso que não dava espaço ou facilidade para os adversários e estava disposto a fazer o impossível para evitar gols dos rivais. Utilizava a cabeça em divididas para salvar bolas dos pés do atacante, jogava machucado e parecia não se importar. A raça rubro-negra serviu perfeitamente as chuteiras de Rondinelli e, por isso, tornou-se o Deus da Raça.

No clube carioca, o zagueiro conquistou a Libertadores e o Mundial de 1981, o Campeonato Brasileiro de 1980 e 4 Campeonatos Cariocas.

“Só quem vestiu essa camisa e entrou no Maracanã lotado, ouvindo o grito da torcida, pode conhecer o orgulho de ser jogador do Flamengo”. -Rondinelli

Leandro.

ídolos

José Leandro de Souza Ferreira, o “Peixe Frito”.

Nascido em Cabo Frio e torcedor apaixonado do clube rubro-negro, o acaso levou o jogador ao Flamengo. Saltando de ônibus em frente à Gávea, seu primo o desafiou a fazer um teste para o time e, depois de dois treinos, foi aprovado.

Com uma grande história no Flamengo e integrando a geração de craques históricos, Leandro é considerado por alguns como até mais habilidoso do que Zico. O lateral foi mais uma referência do time que é considerado o melhor da história.

Técnico e tão eficiente no ataque quanto na defesa, participou da era gloriosa do Flamengo e conquistou no início dos anos 80 três Campeonatos Brasileiros, a Copa União, a Copa Libertadores da América de 1981 e o Mundial do mesmo ano.

Dedicou toda a sua carreira ao clube carioca, desde as categorias de base até os últimos dias dela. Encerrou a sua trajetória em 1988, contabilizando 417 jogos pelo Flamengo, 14 gols e 16 títulos.

Durante os seus anos como atleta profissional, Leandro atuou em todas as funções no time do Flamengo, exceto a de goleiro. Craque.

Raul.

Ídolos

Raul Guilherme Plassmann, o “Velho”.

Inovador nos uniformes e seguro embaixo das traves, Raul Plasmann foi o maior goleiro da história do Flamengo.

Foi para o clube carioca em 1978, tendo integrado, ao lado de Zico, Júnior, Leandro e Andrade, entre outros grandes nomes, o time rubro-negro mais vitorioso da história, sendo quatro vezes Campeão Carioca, em 1978, 1979, 1979- Especial e 1981, três vezes Campeão Brasileiro, em 1980, 1982 e 1983, Campeão da Libertadores em 1981 e Campeão Mundial em 1981.

Em 1983 fez seu último jogo oficial e deixou o clube após 228 jogos, entrando para a galeria dos maiores da história do Mais Querido.

Adílio.

Ídolos

Adílio de Oliveira Gonçalves, o “Brown”.

Garoto torcedor que sonhava em vestir o manto sagrado.

Cria do Flamengo, clube que defendeu por grande parte de sua carreira, Adílio jogou ao lado de Zico e Andrade, formando um dos melhores meio-campos da história do rubro-negro. No time carioca, conquistou suas maiores glórias, incluindo a Taça Libertadores da América e o Mundial Interclubes de 81, além dos Brasileiros de 80, 82 e 83.

Decisivo em sua carreira, marcou o segundo gol do Flamengo na vitória por 3 a 0 sobre o Liverpool, na final do Mundial de Clubes de 1981, e fez o terceiro gol na vitória por 3 a 0 sobre o Santos na decisão do Campeonato Brasileiro de 1983.

“Jogador de rara habilidade e criatividade, Adílio era dono de um passe perfeito e adepto a um estilo de jogo clássico. O jogador atuou no Flamengo entre 1975 e 1987, quando teve a oportunidade de vestir a camisa rubro-negra em 616 partidas, o que faz dele o terceiro jogador com maior número de jogos disputados pelo Flamengo. ” Deixou o clube com 128 gols marcados.

“Ser Flamengo de ‘corpo e alma’. “ – Adílio

Júlio César.

 

Ídolos

Júlio César Soares de Espindola.

Um exemplo de dedicação ao Flamengo.

“Revelado na base, Julio iniciou sua carreira em 1997, como reserva de Clêmer. Porém, aos poucos, foi ganhando a confiança dos rubro-negros e, em 2001, já era o titular absoluto da equipe. Ainda menino, brilhou no Estadual daquele ano, e então não parou mais. Só foi amadurecendo, crescendo e ganhando mais espaço. No Flamengo, no Brasil e no mundo. Disputou 285 jogos, ganhou quatro Estaduais, três Taças Guanabara, uma Taça Rio, uma Mercosul e uma Copa dos Campeões, e então, no começo de 2005, deixou o Flamengo com 284 jogos oficiais na bagagem, e transferiu-se para a Inter de Milão.”

Segundo dados de Paulo Vinicius Coelho, destas 284 partidas oficiais do goleiro, 122 foram vitórias, 70 foram empates e 92 foram derrotas. Todos esses jogos disputados pelo clube fizeram de Júlio César o terceiro goleiro com mais jogos pelo clube, atrás apenas de Cantarelli e Zé Carlos.

Após conquistar o mundo e ter grande reconhecimento por sua carreira vitoriosa, foi anunciado, em 29 de janeiro de 2018, o seu retorno ao Flamengo. Com um contrato com tempo de duração e remuneração simbólicos, voltou, depois de 13 anos, a vestir a camisa do rubro-negro.

Passagem emocionante em sua reta final de carreira, Júlio César se despediu da Nação em uma grande festa em um Maracanã lotado. Carregando nas costas o número 12, que simboliza a torcida, o goleiro se destacou na vitória sobre o América Mineiro e deixou de uma vez por todas os gramados como um dos ídolos do gol rubro-negro.

“Acho que chorei bastante durante a semana, com as matérias que participei, com família, parentes e amigos. Foi um turbilhão de emoções. Para hoje já tinha me preparado bem. Além da despedida, valeu pelos três pontos. Resultado positivo traz ‘n’ coisas, tranquilidade para trabalhar. Esse grupo merece, é muito bom, vão fazer um grande ano.”

“Fui ali ser feliz e já volto”. – Júlio César

Petkovic.

Ídolos

Dejan Petković, o “Pet”.

“Herói do tricampeonato carioca de 1999 a 2001 e peça fundamental na conquista do hexa brasileiro de 2009, Dejan Petkovic é o sérvio mais brasileiro do mundo.”

Chegado à Gávea em 2000 após sucesso no Vitória, Pet rapidamente se identificou com a torcida e se tornou eterno na história após o emblemático gol de falta que deu o tri estadual, em 2001, sobre o rival Vasco, aos 43 minutos do segundo tempo.

“São milhões de brasileiros querendo colocar o manto sagrado a qualquer custo. E eu queria isso novamente.“ – Petkovic

Saiu da Gávea em 2003 e atuou por outros clubes. Porém, em 2009, Petkovic achou o caminho de volta para casa e continuou trazendo alegrias ao rubro-negro. Com seus gols olímpicos, com a parceria com o Imperador e com um controle absoluto do meio campo, o sérvio conquistou o título nacional que não vinha há 17 anos e se fixou de uma vez por todas na galeria de ídolos do Flamengo.

“Não aprendi português o suficiente para achar palavras para descrever a torcida do Flamengo.“ – Petkovic

Adriano.

Ídolos

Adriano Leite Ribeiro, o “Imperador”.

Formado na base da Gávea, Adriano participou do histórico tri carioca de 2001. Ganhou o mundo e voltou como o Imperador, sendo o principal jogador da equipe hexacampeã brasileira de 2009.

“Adriano nasceu e viveu durante sua infância na Vila Cruzeiro, uma das favelas mais perigosas do Rio de Janeiro. Começou sua carreira em 1999 nas divisões de base do Flamengo, tendo sido promovido ao time profissional em 2000. Fez sua estreia em 2 de fevereiro de 2000, contra o Botafogo no Torneio Rio-São Paulo. Marcou um gol contra o São Paulo na mesma competição quatro dias depois. Nesse mesmo ano, ainda com dezoito anos de idade, o atacante foi convocado pela primeira vez para a Seleção Brasileira. ”

Impressionando a todos, desde cedo, por seu grande vigor físico, Adriano também passou a ser reconhecido por seus fortes chutes com a perna esquerda. Logo, foi vendido para a Internazionale, onde, em sua estreia, fez um gol contra o Real Madrid em pleno Santiago Bernabéu.

Sucesso no mundo, foi em 6 de maio de 2009 que Adriano retornou ao Flamengo, onde fez sua reestreia frente ao Atlético Paranaense, em 31 de maio, marcando o segundo gol da vitória por 2 a 1.

No Campeonato Brasileiro do ano, Adriano foi, junto a Petković e o técnico Andrade, o grande destaque do Flamengo na conquista do título no qual o Imperador se sagrou artilheiro.

Adriano deixou os gramados e tornou-se um eterno símbolo do Flamengo. Humilde, o craque rubro-negro é um dos ídolos mais recentes da Nação.

Gabriel.

Ídolos

Gabriel Barbosa Almeida, o “Gabigol”.

“O segundo maior da história.”

O mais novo ídolo da galeria rubro-negra é Gabriel. Formado na Vila Belmiro, na base do Santos, o atacante teve passagens frustradas pela Europa e grandes destaques no futebol brasileiro. Contudo, destaque prévio algum pode ser comparado às glórias que o 9 da Gávea conquistou no ano de 2019.

Campeão do Campeonato Carioca, Gabigol também levantou o título do Campeonato Brasileiro, sagrando-se artilheiro com 25 gols, e ainda brilhou na Copa Libertadores, onde marcou dois gols na final histórica contra o River Plate, conquistando a Glória Eterna e sendo o maior goleador da competição com 9 gols, tornando-se, assim, com apenas 23 anos, imortal na história do maior clube do mundo, o Flamengo.

O ano espetacular foi suficiente para tornar-se um dos maiores ídolos do Flamengo e, após ter sido adquirido por empréstimo no começo de 2019, foi comprado por definitivo em 2020.

Gabriel, junto com os jogadores campeões da Libertadores de 2019, serão eternamente lembrados e se uniram aos craques e ídolos do passado em uma galeria especial de figuras lendárias e divinas.

Levantando e arrastando multidões, o  jovem craque é a definição atualizada de um grande ídolo.

“Crianças nascidas em 2019 serão registradas Gabriel…”

Clube de regatas do flamengo

17 de novembro de 1895. O dia em que seis remadores fundaram o clube de regatas. O resto é simples, ou nem tão simples, história.

Mengo é paixão. Religião. Uma certeza de felicidade no meu coração. Eu nasci Flamengo.

A galeria de ídolos do clube carioca é extensa. As glórias, eternas.

Força da natureza. Flamengo.

Fontes: Wikipédia, Flamengo, Redação Rubro-Negra, Globo Esporte

Confira: https://redacaorubronegra.com/os-escudos-do-flamengo-ao-longo-dos-124-anos/ 

67 anos de história. 67 anos de Zico.

 

Etiquetas

João Argento

Estudante de Comunicação Social - Cinema e Audiovisual na Universidade Federal Fluminense, atualmente no quinto período. 20 anos e flamenguista fanático.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar