Colunas Futebol Profissional

A Busca Libertadora

–
Foto: Divulgação / Flamengo
–Flamengo inicia a disputa de uma nova fase na competição que mais deseja, aqui vamos lembrar de participações anteriores.

Participações

Desde 1981 quando disputou pela primeira vez a Taça Libertadores, o Flamengo já esteve em 15 edições. Portanto foram 14 campanhas antes dessa edição de 2019. Um retrospecto de 5 eliminações na primeira fase (fase de grupos), 3 oitavas de final, 3 quartas de final, 2 semifinais e 1 final. Em outras palavras, em um terço das vezes que disputou a Libertadores o Flamengo foi eliminado na fase de grupos. Além disso os números também traduzem o sentimento do torcedor Rubro-Negro contemporâneo, e ficam ainda piores se olharmos a cronologia das campanhas.

Um Time Lendário, Uma Década de Ouro

–O Flamengo foi Campeão da Libertadores na primeira vez que esteve na competição, um início fulminante. Aquela geração lendária que além do título da Libertadores, ganhou o Mundial e mais três Brasileiros em 4 anos. Além disso foram quatro anos seguidos disputando a Libertadores e três das melhores campanhas do clube. Numa época em que participar da Libertadores era privilégio apenas para o Campeão e vice Brasileiro, e que o campeão da Libertadores da edição anterior entrava direto na fase semifinal da competição.
Em conclusão durante 4 anos seguidos, 1981/82/83/84, o Flamengo além do título em 1981. No ano de 1982 entrou na fase de semifinal (triangular) contra River Plate-ARG e Peñarol-URU, sendo eliminado com duas vitórias e duas derrotas. O Peñarol se classificou para a final contra o Cobreloa-CHI (2°final seguida) e sagrou-se Campeão de 1982.
No ano seguinte, 1983, o Flamengo chegou como Bi-Campeão Brasileiro. No entanto foi eliminado na fase de grupos com 2 vitórias, 2 empates e 2 derrotas. Num grupo que tinha Grêmio, Bolivar e Blooming ambos da Bolívia. Em 1984, o Flamengo passou da primeira fase com 5 vitórias e 1 empate. O Tri-Campeão Brasileiro obteve esse desempenho contra Santos, América de Cali e Junior Barranquila ambos da Colômbia. Depois disso novamente em fase semifinal (triangular) contra Grêmio e Universidad de Los Andes-VEN foram 3 vitórias e 1 derrota, e uma eliminação pro Grêmio em jogo desempate realizado no Pacaembu-SP (campo neutro). Portanto as três edições em que o Flamengo foi mais longe na competição foram na década de 80, as glórias estão cada dia mais longe na memória.

Vovô Garoto e a Última Safra

–No começo da década de 90, Júnior ex-lateral do Flamengo havia voltado da Itália e agora jogava no meio-campo. Depois disso ele liderou o Flamengo na conquista de mais dois títulos nacionais, a Copa do Brasil 1990 e o Brasileiro 1992. Junto com ele, uma última safra vencedora e promissora surgia na base do Flamengo.
Na edição de 1991 o Flamengo classificou em 1°do grupo com 3 vitórias e 3 empates, num grupo que tinha Corinthians, Nacional-URU e Bella Vista-URU. Depois disso na fase seguinte o Flamengo enfrentou Deportivo Tachira-VEN e classificou para as quartas de final, para enfrentar o Boca Juniors-ARG. Em conclusão após duas partidas(2×1 e 0x3) uma vitória pra cada clube, o Flamengo foi eliminado na Bombonera.
Dois anos depois, em 1993, o Flamengo novamente na Libertadores. Acima de tudo, o Campeão Brasileiro de 1992, tinha pela frente Internacional, América de Cali-COL e Atlético Nacional-COL. Após três vitórias, um empate e duas derrotas, o Flamengo classificou em 1°do grupo e tinha nas oitavas de final o Minerven-VEN, duas vitórias colocaram o Flamengo na fase de quartas de final. No entanto um adversário brasileiro mas muito pesado tirou do Flamengo o sonho do título. Em outras palavras um confronto contra o São Paulo atual Campeão da Libertadores 92 e Mundial daquele ano, selou a eliminação do Flamengo.

Anos 2000, Anos difíceis

O Ano é 2002 e o Flamengo está de volta à Libertadores. No entanto a competição mudou seu regulamento e agora são muitas vagas distribuídas e não mais somente Campeão Brasileiro(e vice) e Campeão da Copa do Brasil. Flamengo conseguiu essa vaga com um torneio chamado Copa do Campeões, torneio criado pela CBF que reunia os Campeões Estaduais das principais federações nacionais e valia uma vaga para a competição continental. Portanto vaga e título conquistados pelo Flamengo. No entanto a participação naquela edição foi muito frustrante. Flamengo tinha um time jovem, nomes como Júlio César, Juan, e Felipe Melo (jogando inclusive de atacante), mas não passou da primeira fase. Foi eliminado com 1 vitória, 1 empate e 4 derrotas, num grupo que tinha: Olimpia-PAR, Universidad Católica-CHI, e Once Caldas-COL.
Campeão da Copa do Brasil em 2006, o Flamengo chegou novamente na Libertadores para tentar o tão sonhado título. Além disso um grupo fácil e acessível deu mais esperanças ao torcedor. Após uma fase de grupos com 5 vitórias e 1 empate, num grupo formado por: Paraná, Real Potosi-BOL e Union Maracaibo-VEN, o Flamengo classificou como 2º melhor campanha da primeira fase, e de acordo com a regra daquela edição teria pela frente um confronto contra o 15º classificado geral. Em conclusão, Flamengo e Defensor-URU fizeram um dos confrontos das oitavas de final. Uma derrota por 0x3 na partida realizada no Uruguai complicou muito a situação do Flamengo. Portanto nem mesmo uma vitória por 2×0 na partida realizada no Maracanã foi suficiente para evitar a desclassificação do Flamengo.
No ano seguinte o Flamengo chegava pela terceira vez na década ao principal torneio continental. Uma boa campanha no brasileiro de 2007 garantiu essa vaga. Da mesma forma que na edição anterior o Flamengo chegou às oitavas de final. Num grupo formado por: Nacional-URU, Cienciano-PER e Coronel Bolognesi-PER, o Flamengo conseguiu 4 vitórias, 1 empate e 1 derrota, ficando novamente em 2º lugar no geral. Portanto tinha pela frente o América-MEX, uma partida de ida sublime deu ao Flamengo uma vitória por 4×2 e uma importante vantagem para o jogo de volta. No entanto deu tudo errado, e mais uma vez o Flamengo foi eliminado após uma derrota por 0x3, com três gols do folclórico atacante paraguaio Cabañas.
–

A Década com Mais Participações (Frustrações)

–Campeão Brasileiro em 2009 o Flamengo chegou na Libertadores de 2010 com um time vencedor, técnico e com muita identificação com o torcedor. Em outras palavras nomes como Petkovic, Vagner Love e Adriano traziam esperança de título. Uma fase de grupos irregular com 3 vitórias, 1 empate e 2 derrotas, num grupo formado por: Caracas-VEN, Universidad do Chile e Universidad Católica-CHI. O Flamengo passou em 16º lugar no geral e tinha pela frente o clube de melhor campanha na fase de grupos. Portanto Flamengo e Corinthians se enfrentaram pelas oitavas, Adriano de um lado e Ronaldo do outro. Uma vitória por 1×0 no Maracanã, gol de Adriano, deu ao Flamengo vantagem na partida de volta. E mesmo com a derrota em São Paulo, o gol de Vagner Love, selou o placar de 1×2 e a classificação do Flamengo às quartas de final. Em outras palavras foi a terceira vez que o Flamengo chegou nessa fase, algo que não acontecia desde 1993, ou seja 17anos de espera, coincidentemente o mesmo período que o Flamengo ficou sem títulos no campeonato Brasileiro (1992-2009). No confronto das quartas o Flamengo teve pela frente um clube que já havia enfrentado na fase de grupos: Universidad do Chile. Uma derrota por 2×3 na partida realizada no Maracanã complicou o objetivo do Flamengo em classificar. E assim aconteceu, nem mesmo uma vitória fora de casa por 2×1 foi capaz de passar o Flamengo de fase.
Nessa década foram mais três participações, e a frustração só aumenta. Em outras palavras, nas edições de 2012/14/17, o Flamengo foi eliminado na fase de grupos. Em 2012, num grupo formado por Lanus-ARG, Emelec-EQU e Olimpia-PAR, foram 2 vitórias, 2 empates e 2 derrotas e a eliminação precoce. Em 2014, num grupo formado por Bolivar-BOL, Emelec-EQU e Léon-MEX, foram 2 vitórias, 1 empate e 3 derrotas, novamente eliminado sem passar da primeira fase. Em 2017, num grupo formado por San Lorenzo-ARG, Athlético-PR e Universidad Católica-CHI, foram 3 vitórias e 3 derrotas, eliminado pela terceira vez seguida na fase de grupos.
Em 2018, o Flamengo passou invicto pela primeira fase, com 2 vitórias e 4 empates, num grupo com: River Plate-ARG, Santa Fé-COL e Emelec-EQU. Depois disso o regulamento da Libertadores prevê um sorteio entre os classificados para formar os confrontos das oitavas, este sorteio nos colocou contra o Cruzeiro, clube que foi nosso algoz na final da Copa do Brasil do ano anterior. No confronto realizado no Maracanã o Flamengo teve um ‘apagão’ no início do jogo e levou 2 gols, e mesmo jogando melhor buscando um gol para inflamar a torcida que lotava o estádio, não obteve êxito, e saiu de campo com um placar de 0x2 muito complicado para reverter em competições de mata-mata. Por exemplo na partida de volta, mesmo com a vitória de 1×0 na casa do Cruzeiro, o placar não foi suficiente para classificar o Flamengo.

Libertadores 2019

–Flamengo chega em sua 15ª participação na Libertadores. Além disso pela primeira vez desde a década de 80 consegue estar presente em 3 edições seguidas. (1981/82/83/84 e 2017/18/19) Algo que deve ser valorizado e mostra uma evolução do clube no cenário nacional. Num grupo formado por Peñarol-URU, LDU-EQU e San José-BOL, o Flamengo conseguiu  3 vitórias, 1 empate e 2 derrotas, classificou em 1º do grupo e no sorteio teve pela frente o Emelec-EQU. Em duas partidas muito distintas, o Flamengo perdeu de 0x2 no Equador e venceu no Maracanã pelo mesmo placar, o que levou a decisão da vaga para a disputa de pênaltis. Em conclusão a vaga nas quartas de final veio pelas mãos de Diego Alves, pelos pés dos cobradores, pela trave do Maracanã e pelo coração e energia positiva de mais de 40 milhões de torcedores.
O Flamengo depois de 9 anos (2010/2019) chega pela quarta vez na fase de quartas de final da principal competição continental, e tem pela frente um adversário brasileiro e um tabu que precisa ser quebrado. Em outras palavras, o Internacional de Porto Alegre é o adversário, e passar pela primeira vez às semifinais depois de mais de 30 anos e 10 participações, é um tabu. Em conclusão o time do Flamengo entrará em campo com a pressão de uma competição complicada, com a esperança de uma Nação de mais 40 milhões de torcedores, e a energia positiva de mais de 60 mil presentes ao Maracanã.
TABUS FORAM FEITOS PARA SEREM QUEBRADOS
SAUDAÇÕES RUBRO-NEGRAS

Redação Rubro Negra

Adicionar comentário

Clique aqui para publicar um comentário