ColunasFutebol ProfissionalIvan Queiroz

A Busca Libertadora

0
Flamengo inicia a disputa de uma nova fase na competição que mais deseja, aqui vamos lembrar de participações anteriores.

Participações

Desde 1981 quando disputou pela primeira vez a Taça Libertadores, o Flamengo já esteve em 15 edições. Portanto foram 14 campanhas antes dessa edição de 2019. Um retrospecto de 5 eliminações na primeira fase (fase de grupos), 3 oitavas de final, 3 quartas de final, 2 semifinais e 1 final. Em outras palavras, em um terço das vezes que disputou a Libertadores o Flamengo foi eliminado na fase de grupos. Além disso os números também traduzem o sentimento do torcedor Rubro-Negro contemporâneo, e ficam ainda piores se olharmos a cronologia das campanhas.

Um Time Lendário, Uma Década de Ouro

O Flamengo foi Campeão da Libertadores na primeira vez que esteve na competição, um início fulminante. Aquela geração lendária que além do título da Libertadores, ganhou o Mundial e mais três Brasileiros em 4 anos. Além disso foram quatro anos seguidos disputando a Libertadores e três das melhores campanhas do clube. Numa época em que participar da Libertadores era privilégio apenas para o Campeão e vice Brasileiro, e que o campeão da Libertadores da edição anterior entrava direto na fase semifinal da competição.
Em conclusão durante 4 anos seguidos, 1981/82/83/84, o Flamengo além do título em 1981. No ano de 1982 entrou na fase de semifinal (triangular) contra River Plate-ARG e Peñarol-URU, sendo eliminado com duas vitórias e duas derrotas. O Peñarol se classificou para a final contra o Cobreloa-CHI (2°final seguida) e sagrou-se Campeão de 1982.
No ano seguinte, 1983, o Flamengo chegou como Bi-Campeão Brasileiro. No entanto foi eliminado na fase de grupos com 2 vitórias, 2 empates e 2 derrotas. Num grupo que tinha Grêmio, Bolivar e Blooming ambos da Bolívia. Em 1984, o Flamengo passou da primeira fase com 5 vitórias e 1 empate. O Tri-Campeão Brasileiro obteve esse desempenho contra Santos, América de Cali e Junior Barranquila ambos da Colômbia. Depois disso novamente em fase semifinal (triangular) contra Grêmio e Universidad de Los Andes-VEN foram 3 vitórias e 1 derrota, e uma eliminação pro Grêmio em jogo desempate realizado no Pacaembu-SP (campo neutro). Portanto as três edições em que o Flamengo foi mais longe na competição foram na década de 80, as glórias estão cada dia mais longe na memória.

Vovô Garoto e a Última Safra

No começo da década de 90, Júnior ex-lateral do Flamengo havia voltado da Itália e agora jogava no meio-campo. Depois disso ele liderou o Flamengo na conquista de mais dois títulos nacionais, a Copa do Brasil 1990 e o Brasileiro 1992. Junto com ele, uma última safra vencedora e promissora surgia na base do Flamengo.
Na edição de 1991 o Flamengo classificou em 1°do grupo com 3 vitórias e 3 empates, num grupo que tinha Corinthians, Nacional-URU e Bella Vista-URU. Depois disso na fase seguinte o Flamengo enfrentou Deportivo Tachira-VEN e classificou para as quartas de final, para enfrentar o Boca Juniors-ARG. Em conclusão após duas partidas(2×1 e 0x3) uma vitória pra cada clube, o Flamengo foi eliminado na Bombonera.
Dois anos depois, em 1993, o Flamengo novamente na Libertadores. Acima de tudo, o Campeão Brasileiro de 1992, tinha pela frente Internacional, América de Cali-COL e Atlético Nacional-COL. Após três vitórias, um empate e duas derrotas, o Flamengo classificou em 1°do grupo e tinha nas oitavas de final o Minerven-VEN, duas vitórias colocaram o Flamengo na fase de quartas de final. No entanto um adversário brasileiro mas muito pesado tirou do Flamengo o sonho do título. Em outras palavras um confronto contra o São Paulo atual Campeão da Libertadores 92 e Mundial daquele ano, selou a eliminação do Flamengo.

Anos 2000, Anos difíceis

O Ano é 2002 e o Flamengo está de volta à Libertadores. No entanto a competição mudou seu regulamento e agora são muitas vagas distribuídas e não mais somente Campeão Brasileiro(e vice) e Campeão da Copa do Brasil. Flamengo conseguiu essa vaga com um torneio chamado Copa do Campeões, torneio criado pela CBF que reunia os Campeões Estaduais das principais federações nacionais e valia uma vaga para a competição continental. Portanto vaga e título conquistados pelo Flamengo. No entanto a participação naquela edição foi muito frustrante. Flamengo tinha um time jovem, nomes como Júlio César, Juan, e Felipe Melo (jogando inclusive de atacante), mas não passou da primeira fase. Foi eliminado com 1 vitória, 1 empate e 4 derrotas, num grupo que tinha: Olimpia-PAR, Universidad Católica-CHI, e Once Caldas-COL.
Campeão da Copa do Brasil em 2006, o Flamengo chegou novamente na Libertadores para tentar o tão sonhado título. Além disso um grupo fácil e acessível deu mais esperanças ao torcedor. Após uma fase de grupos com 5 vitórias e 1 empate, num grupo formado por: Paraná, Real Potosi-BOL e Union Maracaibo-VEN, o Flamengo classificou como 2º melhor campanha da primeira fase, e de acordo com a regra daquela edição teria pela frente um confronto contra o 15º classificado geral. Em conclusão, Flamengo e Defensor-URU fizeram um dos confrontos das oitavas de final. Uma derrota por 0x3 na partida realizada no Uruguai complicou muito a situação do Flamengo. Portanto nem mesmo uma vitória por 2×0 na partida realizada no Maracanã foi suficiente para evitar a desclassificação do Flamengo.
No ano seguinte o Flamengo chegava pela terceira vez na década ao principal torneio continental. Uma boa campanha no brasileiro de 2007 garantiu essa vaga. Da mesma forma que na edição anterior o Flamengo chegou às oitavas de final. Num grupo formado por: Nacional-URU, Cienciano-PER e Coronel Bolognesi-PER, o Flamengo conseguiu 4 vitórias, 1 empate e 1 derrota, ficando novamente em 2º lugar no geral. Portanto tinha pela frente o América-MEX, uma partida de ida sublime deu ao Flamengo uma vitória por 4×2 e uma importante vantagem para o jogo de volta. No entanto deu tudo errado, e mais uma vez o Flamengo foi eliminado após uma derrota por 0x3, com três gols do folclórico atacante paraguaio Cabañas.

A Década com Mais Participações (Frustrações)

Campeão Brasileiro em 2009 o Flamengo chegou na Libertadores de 2010 com um time vencedor, técnico e com muita identificação com o torcedor. Em outras palavras nomes como Petkovic, Vagner Love e Adriano traziam esperança de título. Uma fase de grupos irregular com 3 vitórias, 1 empate e 2 derrotas, num grupo formado por: Caracas-VEN, Universidad do Chile e Universidad Católica-CHI. O Flamengo passou em 16º lugar no geral e tinha pela frente o clube de melhor campanha na fase de grupos. Portanto Flamengo e Corinthians se enfrentaram pelas oitavas, Adriano de um lado e Ronaldo do outro. Uma vitória por 1×0 no Maracanã, gol de Adriano, deu ao Flamengo vantagem na partida de volta. E mesmo com a derrota em São Paulo, o gol de Vagner Love, selou o placar de 1×2 e a classificação do Flamengo às quartas de final. Em outras palavras foi a terceira vez que o Flamengo chegou nessa fase, algo que não acontecia desde 1993, ou seja 17anos de espera, coincidentemente o mesmo período que o Flamengo ficou sem títulos no campeonato Brasileiro (1992-2009). No confronto das quartas o Flamengo teve pela frente um clube que já havia enfrentado na fase de grupos: Universidad do Chile. Uma derrota por 2×3 na partida realizada no Maracanã complicou o objetivo do Flamengo em classificar. E assim aconteceu, nem mesmo uma vitória fora de casa por 2×1 foi capaz de passar o Flamengo de fase.
Nessa década foram mais três participações, e a frustração só aumenta. Em outras palavras, nas edições de 2012/14/17, o Flamengo foi eliminado na fase de grupos. Em 2012, num grupo formado por Lanus-ARG, Emelec-EQU e Olimpia-PAR, foram 2 vitórias, 2 empates e 2 derrotas e a eliminação precoce. Em 2014, num grupo formado por Bolivar-BOL, Emelec-EQU e Léon-MEX, foram 2 vitórias, 1 empate e 3 derrotas, novamente eliminado sem passar da primeira fase. Em 2017, num grupo formado por San Lorenzo-ARG, Athlético-PR e Universidad Católica-CHI, foram 3 vitórias e 3 derrotas, eliminado pela terceira vez seguida na fase de grupos.
Em 2018, o Flamengo passou invicto pela primeira fase, com 2 vitórias e 4 empates, num grupo com: River Plate-ARG, Santa Fé-COL e Emelec-EQU. Depois disso o regulamento da Libertadores prevê um sorteio entre os classificados para formar os confrontos das oitavas, este sorteio nos colocou contra o Cruzeiro, clube que foi nosso algoz na final da Copa do Brasil do ano anterior. No confronto realizado no Maracanã o Flamengo teve um ‘apagão’ no início do jogo e levou 2 gols, e mesmo jogando melhor buscando um gol para inflamar a torcida que lotava o estádio, não obteve êxito, e saiu de campo com um placar de 0x2 muito complicado para reverter em competições de mata-mata. Por exemplo na partida de volta, mesmo com a vitória de 1×0 na casa do Cruzeiro, o placar não foi suficiente para classificar o Flamengo.

Libertadores 2019

Flamengo chega em sua 15ª participação na Libertadores. Além disso pela primeira vez desde a década de 80 consegue estar presente em 3 edições seguidas. (1981/82/83/84 e 2017/18/19) Algo que deve ser valorizado e mostra uma evolução do clube no cenário nacional. Num grupo formado por Peñarol-URU, LDU-EQU e San José-BOL, o Flamengo conseguiu  3 vitórias, 1 empate e 2 derrotas, classificou em 1º do grupo e no sorteio teve pela frente o Emelec-EQU. Em duas partidas muito distintas, o Flamengo perdeu de 0x2 no Equador e venceu no Maracanã pelo mesmo placar, o que levou a decisão da vaga para a disputa de pênaltis. Em conclusão a vaga nas quartas de final veio pelas mãos de Diego Alves, pelos pés dos cobradores, pela trave do Maracanã e pelo coração e energia positiva de mais de 40 milhões de torcedores.
O Flamengo depois de 9 anos (2010/2019) chega pela quarta vez na fase de quartas de final da principal competição continental, e tem pela frente um adversário brasileiro e um tabu que precisa ser quebrado. Em outras palavras, o Internacional de Porto Alegre é o adversário, e passar pela primeira vez às semifinais depois de mais de 30 anos e 10 participações, é um tabu. Em conclusão o time do Flamengo entrará em campo com a pressão de uma competição complicada, com a esperança de uma Nação de mais 40 milhões de torcedores, e a energia positiva de mais de 60 mil presentes ao Maracanã.
TABUS FORAM FEITOS PARA SEREM QUEBRADOS
SAUDAÇÕES RUBRO-NEGRAS

Flamengo recebe o Inter pela Libertadores

Previous article

Pela América!

Next article

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

TABELA