3 jogos para acreditar na virada

O Flamengo joga a vida na Libertadores na próxima quarta-feira. Trazemos três jogos históricos onde o Flamengo conseguiu a virada.

0
174
Marcelo Régua - Agência O DIA

Na próxima quarta-feira, o Flamengo joga sua vida na Libertadores 2019. Após a derrota por 2×0 para o Emelec, no Equador, o rubro-negro agora joga em casa e conta com o apoio da sua torcida para reverter o resultado do primeiro jogo.

Para animar e dar mais motivação para a nossa torcida, trago três jogos em que o Flamengo reverteu resultados em que saiu atrás após o primeiro jogo. Seja por uma desvantagem alta, por enfrentar um adversário tecnicamente superior, ou por chegar desacreditado, cada vitória foi importante e marcante para a torcida de alguma forma.

Flamengo 3 x 0 Coritiba – Copa do Brasil 2014

O Flamengo defendia seu título da Copa do Brasil do ano anterior, e por ter disputado a Libertadores em 2014, entrou nas oitavas de final da competição mata-mata. No primeiro jogo, em Curitiba, mais um daqueles jogos tenebrosos que o Flamengo faz quando vai ao Sul, uma vez sim, e outra também. O time coxa branca venceu por 3×0 e trouxe uma vantagem gigante para o Rio de Janeiro.

Num Maracanã vazio, com público de 18.559 pagantes, os dois times pouparam jogadores focando no que era mais importante para ambos: a fuga do rebaixamento no Brasileirão. E no que parecia que seria apenas um jogo protocolar, ocorreu a virada. Alecsandro fez de pênalti aos 48’/1T e aos 11’/2T, e aos 35’/2T o brasileiro naturalizado croata, Eduardo da Silva, fez o gol que levou a decisão para os pênaltis. Numa disputa com os goleiros dos dois times brilhando, o Flamengo venceu por 3×2 e passou para as quartas de final.

Flamengo 1×0 Cruzeiro – Copa do Brasil 2013

Vou tentar resumir um pouco do cenário daquele ano para vocês entenderem a importância e o tamanho daquela classificação. No inicio de 2013, o presidente recém-eleito, Eduardo Bandeira de Mello, dizia que a sua principal missão era reduzir as dividas do clube, tornar o Flamengo organizado, que pagasse em dia e que tivesse dinheiro pra fazer grandes contratações.

Mas, para que isso se tornasse realidade, precisaria de uma faxina geral. O craque do time, na época, Vagner Love, foi devolvido ao CSKA, pois o clube não teria condições de arcar com o valor das parcelas da compra do jogador. Era hora de plantar para lá na frente poder colher. O clube só contratou jogadores a baixo custo ou a custo zero mesmo. O time era tecnicamente muito fraco e não se tinha dinheiro para reforços de peso.

Enquanto isso, o Cruzeiro qualificava seu elenco com grandes apostas e jogadores de nome como Dedé, Borges, Dagoberto, Willian Bigode etc. Deu tão certo que foi a base do time bi-campeão brasileiro (2013-2014). O elenco celeste era um dos melhores do país.

O primeiro jogo das oitavas de final foi um atropelo, o time de Minas Gerais criou diversas chances, dominou o jogo do início ao fim. O Cruzeiro vencia por 2×0 (era pouco) e pelo andar da carruagem, encaminharia a classificação, já em Belo Horizonte. Até que, numa trapalhada de Dedé, junto com o goleiro Fábio, a bola bateu na trave e sobrou para Carlos Eduardo (AQUELE) empurrar a bola para o fundo das redes. O gol manteve o Flamengo vivo na disputa, saímos do Mineirão muito no lucro.

No Maracanã lotado, com a Nacão empurrando do começo ao fim, o Cruzeiro parecia outro time e o Flamengo também. Enquanto o rubro-negro pressionava, criava jogadas o tempo todo, o time celeste se fechava e só saia em poucos contra-ataques.

Quando o jogo se encaminhava para o final, aos 43’/2T, o atacante Paulinho recebeu na ponta direita e rolou pra entrada da área. Elias que entrava com tudo, chutou forte e colocado no canto esquerdo do goleiro Fábio. O Maraca veio abaixo, era o gol da classificação e a primeira grande noite do Flamengo no novo Maracanã que tinha sido reinaugurado há menos de 2 meses.

Flamengo 3×1 Vasco – Carioca 2001

O ano era 2001, o Flamengo era o atual bi-campeão carioca, mas o Vasco vivia a reta final dos seus anos dourados que começaram em 1997 e, além de tudo, o clube de São Januário era o atual campeão brasileiro. O time, treinado por Zagallo, montou um elenco mais forte do que o dos dois últimos títulos cariocas, mas ainda era inferior ao Vasco.

No primeiro jogo, o time vascaíno venceu por 2×1, o que obrigava o Mais Querido a vencer por dois gols de diferença para ser o campeão carioca de 2001. O jogo começou bastante pegado e, aos 21’/1T, Edílson, de pênalti, abriu o placar. Juninho Paulista empatou aos 40’/1T. Aos 8’/1T, após uma linda jogada de Dejan Petkovic, Edílson, de cabeça, colocou o Flamengo em vantagem novamente.

Aos 43’/2T, falta para o Flamengo a 25 metros do gol. Final de jogo, todo mundo cansado, partida tensa. Petkovic já tinha batido quatro faltas no jogo e nenhuma sequer tinha levado perigo. O Sérvio ajeitou a bola, olhou para o gol e chutou. A falta foi muito bem batida, Helton muito bem colocado e sendo o bom goleiro que era, se esticou todo e ainda resvalou na bola, mas não deu. Era o 3×1. A pelota morreu no fundo da rede, no ângulo, lá onde a coruja dorme.

O Maracanã e os jogadores do Flamengo enlouqueceram, o estádio tremia, era o gol mais importante dos últimos 19, 20 anos pelo menos. Era o gol do impossível, gol da fé, o gol de quem acredita até o final. O Flamengo era tri-campeão carioca consecutivo sobre o mesmo rival. Os jogadores do Vasco desabaram no gramado após o gol, sem acreditar que novamente deixaram o título escapar.

Quarta que vem, o final pode ser parecido com algum desses jogos que eu citei nesse texto. Ou, podemos ter mais um vexame em Libertadores. Só que se jogadores e torcida acreditarem e estiverem em sintonia, é muito mais provável a noite terminar com os mais de 60 mil rubro-negros que estarão no Maracanã, saindo contentes, extasiados e cantando muito de felicidade após mais uma classificação heróica. E você ? Acredita em qual final ?

AVANTE MENGÃO

 

Abraços

 

Gabriel Fareli (@gfareli)

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here